A Garganta da Serpente
ajuda
 
 
  versão para impressãorecomende esta página
Tania Montandon saiba mais sobre o autor

Gestalt - Terapia
(Tania Montandon)


O Modelo Gestáltico surgiu a partir do trabalho do casal Perls, de início com uma finalidade terapêutica prática focada na cultura dos EUA. Depois perceberam que precisavam apoiar essa prática sobre uma base filosófica e observaram que as reflexões e modo de pensar que moviam tal prática sintonizavam bem com o modelo fenomenológico. O termo Gestalt é de origem alemã e relaciona-se com forma, configuração do todo. Refere-se à idéia de que nada é fixo em absoluto e nada é movimento em absoluto. A idéia preconiza que o todo é sempre maior que a soma das partes, pois possui o espírito do todo. O ser humano, para não cair na tentação de se iludir, precisa estar sempre atento para considerar os dois lados de sua percepção e não a idealizar ou desqualificar demais. É preciso articular e organizar as partes sem perder a referência do todo.

O paradoxo existencial corresponde à angústia inerente ao ser humano provocada por seu alvedrio. O homem possui a atraente capacidade de escolher o que fazer ou não, mas para toda escolha que faz necessita responsabilizar-se pela repercussão de suas conseqüências, pois toda liberdade carrega uma carga de responsabilidade e, por isso, angústia. Por exemplo, quando um bebê nasce ele é completamente dependente dos cuidados maternos. À medida que se desenvolve, conquista autonomia e liberdades, mas também adquire cada vez mais responsabilidades. Um jovem, quando arruma o primeiro emprego, fica extasiado por sua independência financeira e pela importância de uma ocupação útil à sociedade; no entanto, também fica assustado com o peso dessa responsabilidade e pressão para administrar bem seu salário e sua vida. Uma pessoa doente perde um pouco de liberdade devido à limitação imposta pelo distúrbio, porém pode sentir-se aliviada de certa forma por não precisar preocupar-se com tantos problemas e pressões sociais.

A função social do excesso é a de iludir a pessoa com a sedução da facilidade de se sentir protegida e garantida, confortada e acomodada com alguma certeza que não ameaça qualquer risco de perda justamente por ser excesso, não acaba. Também pode ser visto pela ponta da falta, excesso de falta. O excesso gera ilusão e vice-versa. A pessoa está iludida quando toma a parte do conjunto como todo e considera apenas um lado da relação. Onde há excesso há falta. Se numa relação há excesso de opressão de um lado, por outro lado há falta de respeito e consideração. Onde há muita dominação e coação, falta cooperação, co-construção e colaboração. Na relação em que predomina disputa de poder, há excesso de competição e busca de auto-afirmação; provavelmente também falta auto-referência e auto-estima, pois o primeiro Outro da pessoa é ela mesma. Se não se consegue se estimar, como vai querer estimar outra pessoa? A 'política da certeza' e do excesso na sociedade é favorável a um pequeno grupo de pessoas, detentora dos meios de comunicação, da maior parte da riqueza e poder produzidos pela população. Assim, essa minoria consegue manter a maioria alienada da realidade social e iludida pelas receitas prontas e fáceis oferecidas na esquina para resolver os seus problemas.

(Março de 2001)

852 visitas desde 19/08/2009

   
 

Quero colo!

Tumor psíquico

Adentrando o "si"

Internas luzes novas

Peculiar Paisagem Interior

Devaneiando-se

Pedras

A questão do trabalho no mundo atual

O sentido e o sem-sentido

Angústia - uma vivência

O abismo digital emocional

Drama cotidiano

Detalhes perceptíveis

Do Lar

Uma visão psíquica sobre o câncer

Desabafo

Ego fragilizado, no extremo da sensibilidade devido às circunstâncias momentâneas

Quem 'es'?

A felicidade é simples

Da loucura, uma parte

A noite de mil e uma horas

Arquétipos - Teoria Analítica - Jung

Gestalt - Terapia

Meu pai, meu Orgulho

Breves palavras sobre a teoria da motivação de Maslow

A educação inclusiva de crianças com Síndrome de Down

Psicanálise e Fracasso Escolar

A linguagem inserida na cultura humana

Teoria do caos - não é só um elemento, é a estrutura cultural

Sobre as sociedades de controle

Retalhos de intimidades

 

Copyright © 1999-2013 A Garganta da Serpente
Direitos reservados aos autores  •  Termos e condições  •  Fale Conosco www.gargantadaserpente.com