A Garganta da Serpente
Veneno Crônico crônicas
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

LIGIA E EU

(Ligi@Tomarchio®)

Famosa não sou. Poucos se lembram daquela Ligia insegura, talvez imatura, sem freio ou receio de escrever poemas.

Medo de viver, receio de errar, construir frases feitas, usar de lugares comuns.

Sou feita de osso e carne, passado e imaginação. Atrasado, repetitivo e sem incentivo.

Quando disse, "sou feita...", não sei de quem eu falava, apenas sei que, entre Ligia e eu, um muro elevou-se, frustrações, exageros, paixões, medos, traições...

Poucos leram meus livros de poemas, talvez por eu não ter sido famosa, ou por serem, os jovens, muito jovens para entender meus velhos poemas loucos!

Acima de tudo, não me iludo. Sei que venho, depois morta, cobrar os louros da fama que nunca vivi.

Tantos livros, loucos poemas: Vôos Insanos; Caminhadas Mornas; Navegando Nuvens Infinitas; Murmurando Gritos Contidos; Fúrias Marinhas; Utopias Lângüidas; Cores Saborosas; Histeria; Paixões Osfrésicas; Canções Surdas.

Escrevi algumas histórias também, estas não publiquei, pois eram só minhas!

De todos, não lembro. Devem estar empoeirados em algum lugar comum. Esquecidos.

Talvez nem lidos. Perdidos...

Sou eu quem fala agora, crítica, melancólica, sensível diante da natureza bucólica, de meu esquecimento proposital e cruel.

A Ligia não existe, é utopia.

Eu, apenas fantasia...

(16/11/1990)

  • 3545 visitas desde 3/07/2006
Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente