A Garganta da Serpente
ajuda
 
 
  versão para impressãorecomende esta página
Lathea saiba mais sobre o autor

Drible de zagueiro!
(Lathea)

Como está difícil ver cinema, os filmes estão caríssimos. Meu tempo ósseo me permite esse tipo de lazer, mas o meu dinheiro limita-me a essas coisas. Por isso, que o cara duro, fica barrigudo, se joga no botequim, arruma uma mulher que engordou quinhentos quilos de tanto comer fritura, e ele também de tanto beber cerveja.

Isso sempre acontece quando vou à locadora.

- quanto custa o aluguel deste filme?

- custam sete reais, lançamento, e quatro e cinqüenta, os que forem antigos. Diz o garoto blokbuster.

O fato de você ver um filme de vez enquanto, comprar uma besteirinha para se distrair. Tentar transar com alguém, comprar cigarros, acaba saindo mais caro. Que se você fosse um sujeito regrado, não gastasse de mulher, cigarro, cerveja, cinema, Talvez conseguisse economizar algum. Outro dia fui à locadora entregar um filme, na volta, parei no bar, conheci uma menina, fomos para um motel. No outro dia, estava completamente duro!

Então relaxo, ponho um som na vitrola, deleto o prejuízo, respiro fundo. E lá vou eu de novo a locadora, são alguns dos vícios, que se acumulam ao longo do meu tempo ósseo. Sem falar, no controle da TV que quebrou; a lâmpada que queimou; um novo yogurte que foi lançado; a troca da bicicleta antiga, por uma mais moderna; o livro que ainda não tenho. Sem contar com o apartamento e as viagens que quero fazer. Pergunto-te, sou pequeno burguês ou estou realmente passando dificuldades financeiras. Fico pensando, nas voltas que os políticos dão, ou seja, os rombos econômicos milionários; será que toda essa gente, envolvida em falcatruas, só queria ter uma TV de plasma, ou TV de plasma + um carrinho zero + um apartamentinho em Ipanema + a vontade de ter coisas = a cara de pau. Ser pobre é ruim pra caralho! Talvez seja o motivo de tanta roubalheira no país? A realidade do pobre ainda mais cruel; Chevette velho + mulher feia + cerveja belco + prestações na casa Bahia + filhos + gordura + dente podre = miséria.

Porque ter dinheiro? Porque ler os clássicos? Porque se fuder? Para que serve a dureza honesta? Até que ponto se pode ter uma pobreza honesta. Diz a classe média; quem pisar na bola vai pro xilindró. Quem não pisa na bola vai pro SPC! Nunca quis ser milionário, mas quando não se tem dinheiro nem pro cigarro, puta que pariu! Vós que acreditas na democracia ficas embasbacados, com as tentações que o mundo vip nos submete; aqueles carros sofisticadíssimos, as mulheres mais ainda. E eu contando moeda pra comprar uma coca-cola. Nossa cultura da TV de plasma não tolera burrice. Se o cara tiver uma chance, diz o mandamento dos bem afortunados; mete a mão, tá todo mundo se dando bem, e você todo fudido aí! O cara esquece as boas maneiras, aí pronto.

Não me agrada nem um pouco esse festival de CPIs, falcatruas, depoimentos mentirosos, acho isso muito feio e sem graça, mas a de convir, que é preciso ser um cara mau para sobreviver no Brasil, ou no mínimo, não ser tão ingênua quanto a nossa população. Só podia dar nisso, uma cultura mediada pela classe média, os apelos e chamativos para o um tipo de consumo pesado, esses aparelhos eletrônicos modernos estão cada vez mais caros. Como ser uma pessoa boa, sem ter dinheiro, aí que mora o mistério?

Os grandes caras não tem dinheiro! São malabaristas, alquimistas, sobrevivem sem um puto. Poucos conseguem, mas conheço certos talentos de nosso povo brasileiro, que driblam as dificuldades, o chamado por aqui, drible de zagueiro! Qualquer dificuldade o malandro supera, paga sua água, esgoto, luz, no talento. Fica devendo no bar, a água, a luz, mas não deixa de pagar, um dia ele paga. Fazem compras nas casas Bahia, dividem prestações em mil vezes, mas pagam. Às vezes vão ao camelô e fazem a festa. Um churrasquinho na esquina com os parceiros, eles vivem muito bem. A casa já tem até Brastemp, GE, Cônsul e Dako, é mole! Casa que não tem aparelhos eletrônicos, não vale nada. Um fala já bêbado, drible de zagueiro meu cupadi! O rico não sabe driblar. As montadoras de carros, esses que os bacanas ficam passeando, enquanto a gente esta no ponto de ônibus, esses mesmos, pediu não sei quantos milhos, se não eles podem falir. Os bancos com esses nomes estrangeiros que não sei pronunciar pediram não sei quantos milhões, se não eles vão falir. E o pobre que nunca pediu nada, como é que ele consegue?

Não vim aqui, para julgar e nem fazer juízo desses atos fraudulentos em que sofremos a cada dia, só estou abrindo os olhos da população. Adotou-se a moda do discurso da mentira, que agora a sociedade vem sofrendo. A honestidade burra que aprendemos, deriva da humildade falsa que faz com que certos setores da população, se ressintam com o que eu acho pouco importante; eles sempre falam mal da vida alheia. Invés, de se preocupar com o mais grave, que desrespeita a política econômica. Eles não identificam onde está o erro, e avaliam às estruturas de modo vacilante. O máximo que conseguem fazer são alguns comentários tipo; você não acha o Antônio Ermírio de Moraes feio? E a Stephanie de Mônaco, ela é feia? O Onassis, ele não tem mais dinheiro? Rainha Elizabeth ficou dura? Quem tem dinheiro agora? É isso, que chamo de ódio sego; o cara não vê que não é por aí que se constrói uma democracia! Fico pensando que dessa maneira, continuaremos sendo massa de manobra para uma minoria que gostaria de nos ver em situação bem pior!

502 visitas desde 30/03/2010

   
 

As voltas que o mundo dá!

Trançando um paralelo de lugar para lugar nenhum!

Comitiis nom serviunt coalitions quidquam

A salvação do mundo em três de outubro!

O capitalismo falhou

Drible de zagueiro!

Difícil não falar disso!

O Show de Reggae!

Os maravilhosos caças de Nicolas Sarkozi!

 

Copyright © 1999-2013 A Garganta da Serpente
Direitos reservados aos autores  •  Termos e condições  •  Fale Conosco www.gargantadaserpente.com