A Garganta da Serpente
ajuda
 
 
  versão para impressãorecomende esta página
Jorge Humberto saiba mais sobre o autor

Holocausto
(Jorge Humberto)

Quando se deram os primeiros actos inumanos, perpetrados por selvagens, sequazes de Hitler, a todos maltratando, quem não fosse da raça Ariana, não olhando sequer a crianças ou a velhos, que o povo ia cego, idolatrando um impostor e viciado em drogas, muitos tiveram de fugir para outros países, enquanto os demais, filhos e filhas do infortúnio, por ordem e mando de Mengele, o anjo da morte, foram deportados, como carne para canhão, em carruagens, onde respirar mal podiam, de tão apertados, para Auschwitz e outros campos de concentração.

Mengele era alguém que tinha um fascínio invulgar e doentio por gémeos e anões, injectando tinta nos olhos das crianças, unindo veias a seu belo prazer e tratando crianças com laser, deixando os corpos queimados e os pacientes calados, pois sabiam que enquanto servissem a Mengele, não iriam para outros campos de concentração. Houve até quem ganhasse certa empatia com este monstro, jovem e de sorriso no rosto, tal era a falta de afecto de estas crianças que já haviam perdido seus pais, sodomizados e assassinados, por ordem do mesmo e do chefe das SS, Heinrich Himmler, pior ainda que o primeiro.

Ao chegarem a Auschwitz crianças eram separadas de suas mães, homens de mulheres. Mengele à porta de sua maldita clínica de rastreio, saia à rua, pegava nas crianças e mandava os demais para os trabalhos forçados ou para as celas de gás, dizia por causa dos parasitas. Antes tiravam qualquer réstia de humanidade, cortando o cabelo, quer a homens quer a mulheres e despindo-os por completo, faziam-nos entrar numa grande sala de porta hermética. Por cima, pelos ventiladores deitavam o gás mortífero, e num desespero e incompreensão, muitos morriam agarrados uns aos outros, para se sentirem menos sozinhos estou em crer. E quando o pó se dissipava, fantoches vendidos aos Nazis, com desprezo cuidando as vítimas gaseadas, dirigiam-se para o fornos, que não paravam noite e dia de queimar e de deitar um cheiro nauseabundo que a tudo impregnava…

Mal sabiam os sobreviventes que o pouco do sabão que lhes davam semanalmente, era feito dos restos de seus entes queridos e houve mães enlouquecidas comendo-o para terem de novo seus filhos dentro de si… Triste… muito triste. Ainda hoje em dia fanáticos têm suas células Neo Nazis, por todo o mundo, pois estão em crer que tudo isto foi propaganda contra o terceiro Reich por parte dos americanos, ingleses e Russos.

O cobarde suicidou-se e todos os que com ele privaram mais de perto, obrigando esposas e filhos a assumirem o mesmo acto…

(14/09/09)

611 visitas desde 18/03/2010

   
 

Reconheça-se o trabalho da mulher em casa

A solidão

Divagando na falta de inspiração

Jovens universitários… que futuro

Desastre ecológico

Encontro com a felicidade

Acerca do egoísmo

Humildade

Possessão

Sobre os falsos profetas

Mania de espertezas

Holocausto

Geração perdida

Diz não à droga e à mentira

Cântico Triunfal

Autodeterminação

A maldade em pessoa

Do símio ao homem

A formiga e a palavra

Um dia no jardim

O passado ficou lá atrás

Coisas de um mundo perdido


 

Copyright © 1999-2013 A Garganta da Serpente
Direitos reservados aos autores  •  Termos e condições  •  Fale Conosco www.gargantadaserpente.com