A Garganta da Serpente
ajuda
 
 
  versão para impressãorecomende esta página
Jorge Gomes da Silva
saiba mais sobre o autor

ÁGUAS PASSADAS
(Jorge Gomes da Silva)

As bocas movem-se e os sons esgueiram-se por entre lábios que deviam saber beijar-nos a alma. Mas as palavras cuspidas não fazem sentido. São sons incómodos que nos insultam a inteligência por não fazerem sentido nenhum.

Falam de amor e de outras emoções, traídas pelo olhar felino de quem desconfia do estranho que não as quer ouvir. São bocas de plástico, instrumentos de sopro, música sem nexo de quem escreveu na pauta notas amargas de fel. Adágio. Hipocrisia sem Dó, Sol de inverno brilhando num glaciar, muito frio, a estima a morrer numa ligação em marcha à Ré. Cacofonia no discurso e balbúrdia na acção.

E nós engolimos pelos ouvidos coisas que nunca gostaríamos de saber, amarrotamo-las bem fundo, bem longe da sensibilidade que nos agridem. Sentimo-nos órfãos sem lágrimas para verter. Colamos o rosto ao vidro embaciado onde escorrem gotas sem sal e sem dor, lágrimas de um céu triste por já não ser azul. Mas o cinzento é passageiro. A nossa tristeza não.

Punhos cerrados, mordemos os lábios para reprimir o troco merecido que luta por sair. A nossa força, minada pelo desalento, acaba aí. Deixamos passar o tempo, distantes, fugimos da verdade que detestamos e esperamos. Esperamos milagres que se recusam a acontecer. Nada podemos fazer. Talvez sofrer.

Falam-nos, saudade genuína, do tempo feliz em que o silêncio infantil lhes alimentava o desejo de poder eterno sobre as mais inócuas decisões. Cristalizam nesses momentos o carinho que nos tiveram e recusam aceitar como sua uma pessoa tão diferente do modelo que desenharam, um modelo que não nos serve e lhes transforma as vidas num inferno de falsas expectativas e inevitáveis desilusões. E as bocas vão-se fechando aos poucos sob o manto de um novo silêncio, incómodo, de quem já pouco ou nada tem para dizer.

Parece que a vida cobre com uma névoa a memória do sentir, esborrata a essência dos momentos especiais até deles só sobrar uma simples fotografia dos sorrisos que já não compreendemos. Parece que a vida, canalha, nos baralha o coração. Parece que a malvada nos empurra e nos afasta do que fomos para uma casca envelhecida de pessoas que nunca gostaríamos de ser. Outra gente. De quem não gostamos.

As bocas, caladas, suspiram em vão a pena de terem sido o que nunca mais serão.

552 visitas desde 11/08/2005

   
 

Terra de cegos

Execução testamentária

Fronteira de tempo

Andam por aí

Pontapé no vazio

Pergunta-me amanhã

Negócio da China

Juro que pagarás

Contas de sumir

Águas passadas

Refeição Ligeira

Figurante acidental

Extrema função

Cinco minutos ou mais

Escudados pela ilusão

Reality Show

Anticéptico


 

Copyright © 1999-2013 A Garganta da Serpente
Direitos reservados aos autores  •  Termos e condições  •  Fale Conosco www.gargantadaserpente.com