A Garganta da Serpente
ajuda
 
 
  versão para impressãorecomende esta página
Haroldo P. Barboza saiba mais sobre o autor

Gol contra
(Haroldo P. Barboza)


A crise no futebol carioca vem de longe. Porem tornou-se mais evidente a partir do início do século XXI. Nos últimos oito anos os principais clubes do RJ terminaram o campeonato brasileiro entre os oito últimos. E por 3 ou 4 vezes passaram para a 2ª. divisão. Vai longe o tempo (mais de 40 anos) em que clubes do RJ visitavam o interior do Nordeste para vencer adversários locais com mais de 3 gols de diferença.

Atualmente estes antigos "fregueses" saem do Maracanã obtendo empates e vitórias com certa regularidade.

Não existe uma causa única para esta decadência progressiva. Cada uma contribui com um percentual diferente para este caos. A de maior peso com certeza reside no corpo gerencial de cada clube. As outras, relataremos em breve.

Estes dirigentes, além da vaidade elevada que os impede de reconhecerem seus erros, conduzem as agremiações de forma leviana por terem certeza da impunidade em vigor em nosso país.

A mesma que acoberta os pilantras do planalto central.

Alguns dirigentes já não se satisfazem mais em receber apenas 10% ou 20% das dezenas de "escolinhas"(?) residentes dentro de seus clubes e dos contratos terceirizados.

Num pacto macabro e lesivo aos seus clubes, desenvolveram uma "parceria" não oficial com empresários (atravessadores) de jogadores de futebol. O esquema funciona mais ou menos da forma resumida abaixo.

Um jovem entre 12 e 15 anos que demonstra grandes habilidades com a bola, é pressionado (os pais são doutrinados antes) a assinar um contrato de "gaveta" com o astuto empresário que logo encontra um clube europeu para vender a "mercadoria".

Hipoteticamente o atleta vale R$ 20 milhões. O clube comprador oferece 7 milhões. O clube carioca aceita este valor por estar cheio de dívidas com funcionários, fornecedores e tributos legais que não são cobrados pelas autoridades para não perderem votos. Para iludir a Receita Federal magicamente surge um recibo de venda de R$ 4 milhões. A diferença de R$ 3 milhões é rateada entre o empresário e os dirigentes da equipe. Sobre o valor oficial ainda deduzem 25% a título de comissão do empresário que concede um "cascalho" aos demais envolvidos na trama.

O jogador negociado para a Europa passa a ter um salário de 10 a 25 vezes superior ao recebido (com atraso) no clube que o revelou. Dos 3 ou 4 primeiros salários do novo contrato, concede perto de 50% aos mentores destas obscuras negociações.

O que resta para o clube lhe dá um fôlego de 2 ou 3 meses para amenizar suas dívidas elevadas. Não sobram valores para investimentos numa estrutura planejada para os próximos 10 anos.

Estes "executivos" também ganham na compra!

Quando o atleta que jogou na Europa por 10 ou 12 anos ultrapassa os 30 anos de idade, sua performance começa cair. Sua conta bancária está sólida (se ele teve juízo) e seu entusiasmo está frágil. Mas ainda é possível arrecadar uns trocados exercendo a profissão como divertimento. Basta retornar ao Brasil.

O clube europeu que soube auferir lucros mais com a imagem do atleta do que com seu talento em campo o despacha para o Brasil a preço de "promoção".

Os clubes cariocas falidos e em decadência são os melhores compradores. Anunciam esta contratação "bomba" como a solução para elevar o nível do futebol da equipe mal colocada na tabela. E muitas vezes tais atletas chegam aqui com lesões mal curadas e de demorada recuperação. Mas o que importa não é sua capacidade em efetuar um lançamento de bola e sim, seu "lançamento" contábil.

O clube europeu oferece o atleta por R$ 2 milhões. Magicamente surge um recibo de R$ 5 milhões! O esquema da partilha da diferença é o mesmo usado na época em que ele tinha menos de 22 anos e foi enviado para a Europa.

O aumento da dívida do clube com esta operação é incorporado à "bola de neve" já volumosa. Basta continuar convencendo as autoridades fiscais que a torcida do clube tem mais de 5 milhões de eleitores para que a dívida seja "rolada" para os próximos 20 anos.

Devido a tantas "fontes de renda", não ficamos surpreendidos que na época das eleições dentro destes clubes surjam mais de seis candidatos "abnegados" que sacrificam a família em prol do "amor" que sentem pelo escudo que apaixona milhões de sofredores que apertam o orçamento familiar para adquirir ingressos para partidas regularmente de baixo nível.

Esta falta de respeito deveria ser penalizada com prisão.

Mas como estes elementos são "amigos" de políticos que recebem ingressos de camarote e usam as bandeiras destes clubes para obterem votos, nada é apurado. A CPI da bola (lá se vão mais de 7 anos) terminou em pizza como quase todas.

Pela nossa falta de percepção do quanto somos enganados em todas as esferas sociais, continuaremos a pagar valores altos por ingressos para assistir "peladas" pobres em estádios também abandonados (como o da Fonte Nova que matou oito inocentes numa queda de arquibancada). Ou através do "pay-per-view" da TV que fatura alto com esta programação que serve para desviar a atenção do povo para os desmandos governamentais.

Este é um gol contra que marcamos e pela aparência do jogo, será seguido por diversos outros ao longo de nossa acomodada atitude.

700 visitas desde 11/09/2009

   
 

Falta mola para marola

A reengenharia da mente

Está tudo dominado

O decálogo da maldade

Sem escol(h)a

51 não é boa idéia

O inimigo das elites

Generosa Natureza

Futebol brasileiro à beira do colapso

Rio com dois trens balas

Dunga é nosso herói

Salvadores da pátria

O buraco negro da campanha eleitoral

Desgaste inútil

Programas (des)confiáveis

Novas heranças

A quinta idade

Seja um recenseador

Está nascendo outro elefante branco

Quando chegarão os atletas?

Resenha antecipada dos jogos olímpicos

Cuidado com a celulite!

Gol contra

Toque feminino

Por quanto quer comprar?

Nossa faca é cega

Juntando gerações

As quedas

Copa da miséria

Celular da felicidade trabalho premiado

A tartaruga e os diretores

Invasão saudável

Gol de placa

Vai um sanduba aí?

Ídolos que merecemos

As passeatas mundiais

Sociedade em decadência


 

Copyright © 1999-2013 A Garganta da Serpente
Direitos reservados aos autores  •  Termos e condições  •  Fale Conosco www.gargantadaserpente.com