A Garganta da Serpente
ajuda
 
 
  versão para impressãorecomende esta página
Dorcila Garcia saiba mais sobre o autor

MÁGOA E PERDÃO
(Dorcila Garcia)

Há muitos anos, quando, um tanto triste, eu desabafava com a mãe de uma amiga a respeito de ter sido magoada por uma pessoa do meu convívio, fiquei surpresa com seu comentário. Ela me disse, com toda delicadeza, que aquela pessoa à qual eu me referia, por mais que tivesse me magoado, não poderia ter o poder de me derrotar, de me fazer sofrer; que isso só estava acontecendo porque eu permitira que a amargura e a decepção tomassem conta de mim e fossem minando minhas forças; que apenas eu era responsável por ter chegado àquele estado em que me encontrava.

Confesso que fiquei chocada com aquela resposta. Na realidade, esperava que ela me consolasse, pois era de conforto que meu coração estava precisando; que reconhecesse junto comigo quão injusta fora a pessoa que me ferira. Naquele momento, pensei, eu estava precisando de brandura e não de reprimendas.

Foi com o coração cheio de amargor que contestei veementemente o que ela havia dito: "Mas que vida injusta é essa que, além de eu ter sido magoada, no fim das contas, a única responsável pela minha tristeza, pelo meu sofrimento sou eu mesma?". A mãe da minha amiga passou as mãos sob meus olhos para enxugar minhas lágrimas, levantou-se calmamente e falou: "Acho que você ainda não está preparada, mas, um dia, você vai entender o que eu lhe disse agora".

Hoje, passados tantos anos e após tantos tropeços, tantas mágoas alimentadas, que só fizeram paralisar a minha vida, baixar minha auto-estima e me fazer sofrer, entendo claramente o conselho daquela sábia senhora.

Como uma doença silenciosa, a mágoa vai tomando conta de nós e, se não for detectada no início e tratada, se espalha por todo o nosso ser, destruindo-nos pouco a pouco, sem piedade. Quando formos notar quanto mal ela nos fez, pode ser tarde demais.

Quando estamos magoados com alguém, é como se uma nuvem negra de amargura ficasse pairando sobre nossa cabeça, não nos deixando ter alegria, nem paz de espírito.

Guardar mágoa é tão prejudicial que pode influir negativamente na nossa vida por anos a fio. E a ironia de tudo isso é que carregamos o peso de uma grande dor, sofrendo por alguém que nos magoou e esse alguém, na maioria das vezes, nem se lembra mais do fato ou sequer imagina a dimensão da nossa ferida.

Não é preciso que nos transformemos em santos para não guardar mágoa em nosso coração. Isso seria muito difícil, pois somos seres humanos falíveis e a santidade é jóia rara de se conseguir. Eu diria que basta pensarmos em nós mesmos, em como seria diferente nossa vida se não carregássemos mágoas na alma.

Perdoar, de todo nosso coração, alguém que nos magoou, nos traz uma libertação interior incapaz de ser descrita. Se, em acréscimo, conseguirmos ter a humildade de dizer à outra pessoa que a perdoamos, sentiremos uma dupla felicidade: a de dar perdão a nós mesmos e à pessoa que nos magoou. Se for uma atitude sincera, a vida terá para nós uma nova perspectiva a partir desse momento.

Por isso, é mais sábio não guardar mágoa, não permitir que ela nos contamine, exercitar o perdão. Não esperar que a amargura cause um estrago tamanho em nossa vida que torne quase impossível uma restauração.

No entanto, uma mágoa enraizada não desaparece de repente, apenas por nosso esforço, por mais sincero que ele seja. Precisamos de cobertura espiritual e isso só se consegue se buscarmos a Deus, que é Senhor do impossível. Devemos perdoar, como Ele nos perdoou. Somente Ele é capaz de abrandar nosso coração e nos devolver a paz de espírito. E, com ela, a alegria de viver.
...
Então, Pedro, aproximando-se Dele, disse:"Senhor, quantas vezes pecará meu irmão contra mim e eu lhe perdoarei? Até sete?" Jesus lhe disse: "Não te digo que até sete, mas até setenta vezes sete." Mt.18:21-22.

5475 visitas desde 18/08/2005

   
 

Dia do escritor

Mágoa e perdão

Gris

Lembranças de meu pai

Amor: chave de ouro que abre todos os corações

Como é bom namorar

Rosas amarelas

Decreto de aniversário

Exame de consciência

Doçura

Serenidade

Anos inocentes

Tributo aos girassóis

Razão de viver

Amigos são carinhos

Alma e natureza

Magia Poética

Separação

Felicidade fugidia

Um dia de sol

Rotina

Insônia

Contemplação

 

Copyright © 1999-2013 A Garganta da Serpente
Direitos reservados aos autores  •  Termos e condições  •  Fale Conosco www.gargantadaserpente.com