A Garganta da Serpente
Veneno Crônico crônicas
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Mensagem para o Natal de 2007

(Sarah D.A. Lynch)

Uma mensagem de Natal para meus amigos? O que dizer? Não tenho muito a dizer - tudo já foi dito por alguém mais. Mas, pensando bem, tenho algo a dizer, sim.

Durante a II Guerra Mundial, os exércitos de ambos os lados faziam cessa-fogo na noite de 24 de dezembro. Daí, nas primeiras horas do dia 26, os bombardeios continuavam.

Sim, sei que não foi muito - mas foi alguma coisa. Sei que aparentemente isto não trouxe nada permanente - mas o silêncio nos campos de batalha foram abençoados no coração dos soldados, o que produziu resultados imensos nas engrenagens do Universo, refletindo-se nas gerações que vieram.

É por isto, então, que lhe desejo, neste Natal, o cessa-fogo de seus tempos de guerra, que não é permanente mas deixa lembranças e esperanças. Que você não esteja sozinho. Que as luzes possam alegrá-lo, e que a mensagem natalina possa, de alguma maneira, confortá-lo naquelas coisas que lhe doem.

Em especial, que você encontre um tempo, em meio a presentes e amigos, para baixar a cabeça em respeito a todos os meninos, meninas e mulheres que estão, agora mesmo, sozinhos, tristes, sem conforto, porque os homens estão ocupados demais festejando o Natal para lhes estender a mão.

Pense nos meninos e meninas cujo pai foi embora com um novo amor, e lhes deixou sem afeto. Nas mulheres prisioneiras de seus véus nos países muçulmanos. Nas multidões famintas da África, porque seus dirigentes estão ocupados demais com suas fortunas. Nos doentes e moribundos do Brasil e tantos outros países, porque não há hospitais e remédios. No povo sofrido e faminto de Cuba, porque seu dirigente quer mostrar ao mundo que venceu.

É, eu sei, isto talvez estrague seu Natal. Afinal, é dia de festa, de colocar as coisas ruins na prateleira e imaginar que há paz na terra para os homens de boa vontade. Mas por favor entenda que a cada minuto de sua indiferença, você pagará com horas de duras penas. E que a cada minuto de suas orações em prol de outrem, você receberá horas de paz interior - a única verdadeira paz que há.

Porque não haverá paz no coração de homem algum enquanto uma só criança, uma só mulher, um só oprimido e fraco e sozinho estiver clamando ao Infinito.

Não, o Eterno não traz conforto, nem auxílio, nem respostas às multidões que oram. Afinal, Ele deixou ao nosso cuidado o sermos conforto, auxílio e resposta!

Então não diga, "outra pessoa o fará". Seu próprio pensamento tem a força de ação nos Mundos Superiores, e move as engrenagens da realidade para que tenhamos um mundo melhor.

Por isto, não se atordoe nas luzes e alegrias do Natal, tentando esquecer as dores. Mergulhe, nem que seja por um minuto, no coração ferido do mundo, para que ele possa ser mudado.

Porque não haverá redenção alguma, paz alguma, enquanto a boa vontade do homem se voltar apenas para si mesmo. E o Universo cujos olhos e ouvidos estão atentos àqueles que sofrem, contará com cada minuto de pensamento, oração ou meditação dos homens - e é isto o que fará a diferença.

Não tenha medo de mergulhar no escuro coração do mundo por alguns instantes neste Natal. Porque é deste escuro que nascem as estrelas e os diamantes do Universo.

  • 1185 visitas desde 15/12/2009
Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente