A Garganta da Serpente

Rosa Pena

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Mágica

Não quero pesquisas no espaço,
não quero mais previsão.
Sou dona daquilo que faço,
adoro viver de ilusão.

Fechando meus olhos pretos
eu traço diversos sonetos,
transformo cinco elefantes,
na lista das dez mais elegantes.

Da cartola não tiro coelho,
mas tiro as rugas do espelho.
Troco o longe pelo perto
faço do bobo o esperto.

O distante fica breve
o pesado muito leve.
Sou poeta, sou magia.
Vivo de fantasia.
De noite eu dou:
-Bom dia.


(Rosa Pena)


voltar última atualização: 08/10/2007
8373 visitas desde 01/07/2005

Poemas desta autora:

Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente