A Garganta da Serpente

Priscila Miraz

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Noturno

Deitada ao contrário na cama,
cabeça pendurada
e vaga,
leve pressão da madeira na nuca,
raivosamente ignorava o que dizia você lá do outro lado,
e distraía o que fosse de pensar
com o cuidado trabalho dos dedos nos cabelos,
fazendo e desfazendo o trançado.
Sua voz sem sentido pungia nos ouvidos,
enquanto os olhos caíam à margem das palavras,
pesados de sono e desistência.
Assim,
som sem rosto,
foi você naquela noite
a certeza da obrigatoriedade da mentira.


(Priscila Miraz)


voltar última atualização: 24/03/2007
5224 visitas desde 17/11/2006
Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente