A Garganta da Serpente

Nina Rizzi

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

CONSTRUÇÃO

Imagina só meu caro amigo, que logo eu
aos doze anos, na flor da idade
fui um milagre brasileiro.
Fui uma morena de Angola, dos olhos d'água,
moça da cidade e violeira na cidade dos artistas
uma cidade ideal pra minha canção, pra ver a banda passar,
curtir festa modesta ou a fantasia
sempre voltando ao samba na ciranda da bailarina.
Era a moça mais bonita, a moça do sonho,
na ilha de Lia, no barco de Rosa.

Dura na queda, desafiei o malandro
e fiz um casamento de pequenos burgueses num circo místico
numa noite de mascarados com um novo amor
(é que não existe pecado ao sul do Equador).
Mas como o cotidiano é cheio de desencontros, desencantos, desemboladas,
feito um folhetim de esconde-esconde
deixei a menina, carioca ou francesa,
como num samba de adeus,
pois é, qualquer amor, romance
é como um retrato em preto e branco,
samba, agoniza, mas não morre
a gente fica com tanta saudade
então como sentimental vamos sempre em frente na roda viva.

Mas tem mais samba rei de ramos!
Samba de Orly, tango de covil, valsinha, um chorinho
sobre todas as coisas daqueles anos dourados!
sobre o tempo que passou, minha história.
Não fui uma menina, trocando em miúdos, fui umas e outras
e pra não dizer mais tantas palavras fora de hora
façamos a lista do meu sonho de carnaval
das minhas meninas, las muchachas de Copacabana
as mulheres que fui:

Ana de Amsterdam
Angélica
Bárbara
Beatriz
Carolina
Cecília
Cristina
Geni
Helena
Iolanda
Iracema
Januária
Joana
Leila
Lola
Lily Braun
Luísa e Luíza
Madalena
Maria
Nancy
Renata
Rita
Rosa
Sílvia
Teresinha.

Palavra de mulher! fui todas as mulheres de Atenas!
uma mulher em cada porto
com açúcar e com afeto, sem açúcar, sem fantasia, sem compromisso
de todas as maneiras.

Mas a minha canção, o meu último blues
é pra deixar de ser tudo que sou e que fui
por um sonho (quase) impossível :
ser a garota do Leblon.
E se não puder não sonho mais!


(Nina Rizzi)


voltar última atualização: 12/10/2007
11372 visitas desde 01/07/2005

Poemas desta autora:

Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente