A Garganta da Serpente

Luiz Reis

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

DESLOCAMENTOS NO AR COMPACTO
ESTRATOS PALPÁVEIS ESTRIADOS
DE CORRENTES EÓLICAS FULCROS
CONCÊNTRICOS DIAS DE CALOR
INTENSO SUBSTRATO PAIRAR
CAMADAS EM QUE NAVEGAR
EMBOLIAS DO ESTÔMAGO MOLE
FULCROS DA CABEÇA QUENTE
GRITOS DE PÁSSAROS SEDENTOS
TRAJETÓRIAS DA POEIRA PRANTOS
SÓLIDOS EM DECANTAR PAIRAR
TREMÚLA ADERE AO SOLADO QUE
VIAS CRIAR DESVIAS E AZUL
A BOCA SANGRA SECO CATARRO
LÍQUIDO EVAPORA NA HORA JÁ ERA
DESTILA DA SECURA MAIS INTENSA
AINDA DANÇAR


(Luiz Reis)


voltar última atualização: 10/05/2017
9357 visitas desde 24/03/2007

Poemas deste autor:

Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente