A Garganta da Serpente

Luiz Reis

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

O RIO D'OURO CORRE DEPRESSA
EM MEIO RODAMOINHOS
E CORRENTEZAS
TAMBÉM MINHA ILUSÃO RÁPIDA
FRENTE AOS DESEJOS INCONCLUSOS
A VONTADE DIANTE DE SEUS OLHOS
AINDA APRENDIZ
CORAÇÃO DE MÚLTIPLAS FERIDAS
PONTES DE SAFENA
CICATRIZES E REMENDOS
ARMADURAS DE METAL
EM TRÂNSITO NAS RUAS
TUDO PRA TE ESQUECER
FINITUDE!
OBSERVAR TAMBÉM É AGIR
DA VIDA EM MOVIMENTO APREENDE
MUDANÇA FEÉRICA
GRITOS E BUZINAS
NO QUARTO DE HOTEL A SOLIDÃO
É PIOR
ILHA ISOLADA
CONTINENTE PERDIDO
A EUROPA ESTÁ EM OBRAS!
MAS NÃO SE ABRE AOS QUE CHEGAM
PEGA TEU LUGAR
QUE A FILA, É SERVENTIA
O TRÂNSITO NÃO ANDA
MAS TAMBÉM NÃO PARA
E A VIDA CORRE TRISTE
NESTAS ÁGUAS
OPACAS COMO A SOLIDÃO
RÁPIDAS NUM TEMPO ESCASSO


(Luiz Reis)


voltar última atualização: 10/05/2017
9361 visitas desde 24/03/2007

Poemas deste autor:

Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente