A Garganta da Serpente

Gabriella Slovick

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

A cor do Ar

No princípio o ar era transparente.
Corriam pra lá e pra cá
as bolhas do vento.
Bolhas de água,
bolhas de tempo.
Tudo passou à contento...
Pena que o tempo, além do tempo,
trouxe o ar escuro
e venenoso.
Assim o homem precisou erguer muros.
Adeus às cavernas!
Vive-se agora em apartamento.
O cheiro do ar é venoso.
A cor do ar é negro.
Negro e perigoso.


(Gabriella Slovick)


voltar última atualização: 10/05/2017
10181 visitas desde 23/05/2006

Poemas desta autora:

Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente