A Garganta da Serpente

Delasnieve Daspet

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Viajante

Sou viajante da eternidade,
Meu corpo é mera oficina
Onde minh´alma trabalha.

Cheguei de longe...
Como planta renasço
Do solo profundo.

Viajo ao sabor do vento,
No serpentear dos rios,
No burburinho das matas,
Das taquaras que choram,
Das aves que voam,
Do gado que rumina,
Da paz que busco
No fundo do olhar!

Viajo ao encontro
De outros seres.
Não vou ancorar
Na angústia vazia...
Utilizo o tempo
Em minha própria melhoria.

(DD_Campo Grande-MS 04.06.10)


(Delasnieve Daspet)


voltar última atualização: 25/04/2017
16957 visitas desde 01/07/2005

Poemas deste autor:

Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente