A Garganta da Serpente

Delasnieve Daspet

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Quimeras

No meu peito sem lei,
Insensato,
Apartado de qualquer coerência,
Rodopia a leviana saudade,
E me tira a liberdade.

Morrem os sonhos e as ilusões,
Que marcam a lembrança
Por alguém que não é de verdade.

Quimeras...

(DD_ Campo Grande, 29.11.10)


(Delasnieve Daspet)


voltar última atualização: 25/04/2017
16956 visitas desde 01/07/2005

Poemas deste autor:

Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente