A Garganta da Serpente

Delasnieve Daspet

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Teus dedos suaves

Que teus dedos suaves
Passeiem pelo meu corpo,
E que se fechem nas curvas
Que se curvam ao teu passar...

Que teus dedos suaves, acariciem,
Meu corpo de medos e arrepios,
Serelepes e faceiros ao andar...

Que teus dedos suaves, acalente-me,
E que teus braços me abracem,
E que tua boca me cubra de beijos sensuais.

Que teus dedos suaves, toquem-me,
Com delírio e desejo,
Que trace com teu pincel
Finos desenhos...

Que teus dedos suaves, amem-me,
Onde ninguém, jamais,
Ousou amar.
.
Que teus dedos suaves, possuam-me,
Nas delicias de um amor
Sem fim.

(DD_ Campo Grande, 05.12.10)


(Delasnieve Daspet)


voltar última atualização: 25/04/2017
16955 visitas desde 01/07/2005

Poemas deste autor:

Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente