A Garganta da Serpente

Delasnieve Daspet

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Quando as palavras morrem...

Quando as palavras morrem no silêncio
É porque perdemos a capacidade de sentir.
No contexto, o existir é apenas um detalhe.

O silêncio que distancia,
Dá proteção,
Não compromete.

Vemos o fato.
Conta-se a situação.
Fechados no casulo, não queremos
Sentir, nem mudar o modo de pensar.

Diante da dor,
Diante do sofrimento,
O egoísmo manda não se comprometer,
Não consolar, não se doar...

O silêncio da negativa
Cala fundo naqueles que aguardam
Um gesto consolador, um braço aberto.
Fica o vazio.

(julho-2009)


(Delasnieve Daspet)


voltar última atualização: 25/04/2017
16954 visitas desde 01/07/2005

Poemas deste autor:

Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente