A Garganta da Serpente

Delasnieve Daspet

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Xaraés

Perfeição!
Tudo milimetricamente calculado
Sem divisas ou divisores,
Tudo é terra ou tudo é água.

O cheiro do cerrado, o capim seco e queimado,
Araticum, guavira, tarumã, jenipapo,
Matam a fome e perfumam a terra.

Aguapé lilás,
A exuberância das flores...
Na brisa matutina que ameniza o sol.

A balbúrdia das aves, o miado ao longe do maracajá,
O vai e vem das ondas mansas,
Nos cabelos de Iara a flor do camalote
Do Mar de Xaraé.

(25.12.09)

(Delasnieve Daspet)


voltar última atualização: 25/04/2017
16964 visitas desde 01/07/2005

Poemas deste autor:

Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente