A Garganta da Serpente

Darlan de Matos Cunha

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

O MIOLO DAS ÁRVORES

Ela não quer engordar
o silêncio que os aflige
sobretudo à hora na qual
as pessoas regressam
às casas e se esparramam
nas asas de um sorriso
à mesa e à beira da
loucura e da ausência
no retângulo mútuo,
e assim, por não querer
engordar o ofício trágico
do silêncio mútuo, faz
com os naipes e o xadrez,
o esquecido artesanato, ou
com o tinto e algum livro
um sobretudo contra
aquele frio que só os amantes.


(Darlan de Matos Cunha)


voltar última atualização: 10/12/2008
14465 visitas desde 01/07/2005

Poemas deste autor:

Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente