A Garganta da Serpente

Darlan de Matos Cunha

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

A BOCA NUA DA POESIA
A BOCA CRUA DA FANTASIA
A BOCA FRIA DA HERESIA
A BOCA AMARGA DA ASSEPSIA
A BOCA TANGENTE DA PORCARIA
A BOCA DEMENTE DA ROMARIA
A BOCA RODADA (faca bordada
A BOCA FECHADA (por crime
A BOCA ESGARÇADA (de sangue
não quer pistas, nem ama rastros)


(Darlan de Matos Cunha)


voltar última atualização: 10/12/2008
14478 visitas desde 01/07/2005

Poemas deste autor:

Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente