A Garganta da Serpente

Darlan de Matos Cunha

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

A BUNDA BRANCA E VERMELHA (E ESTRIADA) DA BANHISTA

Não diremos se muito (afeiçoados que não somos) ou pouco
A Coisa está doente
não diremos se à esquerda ou à direita
ou se de todos os lados padece de incipiente letargia
ou se é mesmo uma violenta & insabida virologia
a roer-lhe os calcanhares e a braguilha,
tal como o são a ética e a moral, não
diremos se sofre
de fisiologia do arroubo ou se de anatomia do absurdo,
mas é certo que logo as coisas se aclararão
sobre o atual alarido que cobre os leitos e as cadeiras, copas
e árvores, crimes & castigos...


(Darlan de Matos Cunha)


voltar última atualização: 10/12/2008
14471 visitas desde 01/07/2005

Poemas deste autor:

Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente