A Garganta da Serpente

Darlan de Matos Cunha

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

NUVENS COR DE SAL

Por trás das portas e janelas,
pessoas esperam abram-se,
após a tormenta, ventos lilases
e nuvens cor de sal; esperam que
se abram para o silêncio corrosivo
de que tanto caso fez a aldeia
os bichos interiores dos quais
o padre falou e o diabo mostrou
serem intangíveis, inexistentes
(pelo menos da oficial maneira).


(Darlan de Matos Cunha)


voltar última atualização: 10/12/2008
14464 visitas desde 01/07/2005

Poemas deste autor:

Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente