A Garganta da Serpente

Darlan de Matos Cunha

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Ouro em pó nos membros
o tronco fervido e ativado
pelos ais mais díspares,
a gente se faz com outros
constrói e derruba pontes,
a gente é de perceber
se o dia é insano
quanto à anatomia
de suas próprias hordas,
quanto a manter o nariz
escorregando pela praia,
a gente vive de se
estender a sobreviventes.


(Darlan de Matos Cunha)


voltar última atualização: 10/12/2008
14463 visitas desde 01/07/2005

Poemas deste autor:

Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente