A Garganta da Serpente

Anderson Dantas

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

SÃO JOSÉ e 1996

Do meu quarto
          estrangulo a sombra.

Meu nome, sons de mim
          dédalo de sol.
Arrancai o ramo verde
          que se afunda nos olhos.

Juntai os cabelos à deriva
marulhar e sina. Eu sonho
          que componho e arranho
                    dentro de Maio.


(Anderson Dantas)


voltar última atualização: 01/04/2007
5588 visitas desde 01/04/2007

Poemas deste autor:

Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente