A Garganta da Serpente
ajuda
 
 

Maioridade

Relembro o tempo de trevas sobre a face do abismo. Quando, depois das estrelas e antes de ti, fui a primeira a rastejar sobre a terra recém-criada. E a primeira a ser amaldiçoada.

Ouço lá fora, o clamor pagão da carne. E aqui dentro, o batuque catatônico no peito.

A maioridade chega enquanto o coma ainda insiste, sob o peso insustentável da ausência dos fonemas. Porque acordar é admitir o insuportável, é sucumbir à execração do tempo.

Incapacitada de reverter, incapaz de esmorecer, proibida de morrer. Alma sedada e escamas baixas, o ofídio aceita e esconjura sua sina bíblica.

Observo o flagelo do novo guardado há anos, envelhecendo sem ter nascido. E sei que para recobrar o rastro é preciso regurgitar o pretérito.

Estou aqui, imersa em pó, teias e agouros. Remexendo palavras e cicatrizes. Estou preparando para lhes oferecer o meu passado para atrair o porvir.

O incerto impera e só onde o vazio dominou é possível armazenar a esperança.

Desejo que, hoje, seja o último aniversário de todos os nossos sonhos engavetados.

Agostina Sasaoka.

(18.02.2017)
  anteriores  
18.02.2017
18.02.2014
12.12.2012
18.02.2010
26.12.2009
18.02.2009
20.01.2009
14.07.2007
05.02.2007
20.12.2006
16.11.2006
08.02.2006
21.12.2005
25.07.2005
22.06.2005
24.05.2005
16.05.2005
18.04.2005
01.03.2005
29.01.2005
10.11.2004


Copyright © 1999-2017 A Garganta da Serpente
Direitos reservados aos autores  •  Termos e condições  •  Fale Conosco www.gargantadaserpente.com