A Garganta da Serpente
Acervo da Sala das Najas Ricardo Pereira
(15.04.05 / 14.05.05)

A Cerâmica de Ricardo Pereira

e-mailcurriculum

Ricardo Pereira produz um tipo de cerâmica onde se destacam as formas irregulares, as cores variadas, as texturas diversificadas, a espessura fina das paredes das peças e, acima de tudo, a simplicidade.

Suas peças, produzidas com argilas chamotadas vermelhas, pretas ou cremes, possuem a aparência rústica da cerâmica modelada à mão, sem torno, portanto herdeira das técnicas mais antigas de modelagem, tão bem realizadas nas cerâmicas étnicas e populares.

Aliás, estas são as grandes fontes de inspiração de seu trabalho: a arte africana, indígena, arcaica e popular. Estas referências podem ser notadas no estilo dos desenhos que recobrem suas peças, ora abstratos (geométricos ou não) ora figurativos, pintados ou gravados em baixos relevos. Tal influência traduz o desejo do artista de reencontrar, através da sua arte, o contato com um mundo onde homem e natureza ainda eram intimamente ligados, onde arte e magia tinham o mesmo sentido na mente de toda uma coletividade primitiva. Pois para aquela comunidade perdida, assim como para a comunidade globalizada de hoje, segundo Ernest Fischer em A NECESSIDADE DA ARTE, "a arte é necessária para que o homem se torne capaz de conhecer e mudar o mundo. Mas a arte também é necessária em virtude da magia que lhe é inerente".

Portanto, é neste sentido que Ricardo Pereira modela e pinta suas peças, contudo sempre procurando colocar uma marca de personalidade em seus trabalhos, buscando com isso um estilo que lhe seja próprio e não a mera reprodução do estilo deste ou daquele grupo étnico.

Outra marca sua é o uso do engobe (tinta para cerâmica que utiliza a argila branca como aglutinante e pigmentos minerais como colorantes) como principal técnica decorativa, que lhe permite uma razoável gama de cores aplicadas à pincel, com o qual pode levar à cerâmica toda sua experiência de pintor. A fixação deste engobe colorido se dá com a transformação da argila em cerâmica, numa monoqueima de 1000º C ; o acabamento final é à cera, que confere um brilho acetinado às peças.

Por fim, suas formas preferidas são os vasos, nos mais variados tipos e tamanhos, as bonecas, cheias de humor e graça, e as máscaras, algumas enigmáticas outras irônicas.

Esta é a cerâmica de Ricardo Pereira - viva, alegre, brasileira e universal.

Conjunto de Bonecas
Terracota colorida com engobe - Queima: forno elétrico 1000ºC - Altura média: 38 cm - 1997

Todos os direitos autorais
são reservados aos autores
das obras expostas.

voltar ao acervo
4139
Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente