A Garganta da Serpente
(15.03.03 / 14.04.03)

Testamento - Kenzo Sasaoka

e-mailwebsite

Mergulhei num universo atemporal, onde o silêncio sepulcral reinava no eterno dormitório de meu corpo.

A vida escorreu. As flores, murchas pelo calor do sol, permanecem em minhas mãos frias. As mesmas flores que nunca me reverenciaram em vida.

Observo com calafrios o meu eterno refúgio, busco aconchego em meu manto amadeirado. Véu de silêncio cobre esse meu rosto, que ficará à mercê dos vermes que - lentamente - irão degustá-lo.

Pelas mãos da sabedoria sou conduzido e amparado para que, em algum momento, possa ganhar asas, voar através do infinito e atravessar os portais do céu... ou do inferno.

(Kenzo Sasaoka)

Todos os direitos autorais
são reservados aos autores
das obras expostas.

voltar ao acervo
404
Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente