A Garganta da Serpente
Acervo da Sala das Najas Junia Bittencourt
(15.06.04 / 14.07.04)

Cobras e Cobras - Junia Bittencourt

e-mailwebsitecurriculum

"Aplicando quase que uma técnica pontilhista, que teve seu auge em épocas do Impressionismo, tendo a cobra como tema recorrente, obsessivo, nos dá uma maravilhosa concepção fora dos padrões estabelecidos. Mas obra recriada apenas no devaneio do fazer arte. Júnia é singular , porque é única, sua pintura é única, talvez venha das mandalas indianas , ou mesmo de sua imaginação fértil. É singular porque pinta para ela mesma, sem a vaidade dos artistas catalogados, cheios de medos e decepções. Júnia é plural porque também é poeta e das boas, além de uma concepção de vida/liberdade e orgulhosa da sua firme concepção de mulher."

(Miguel Coelho)
Noite
(acrílica sobre tela - 50cm X 40cm)

Todos os direitos autorais
são reservados aos autores
das obras expostas.

voltar ao acervo
4582
Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente