A Garganta da Serpente
Acervo da Sala das Najas Arlindo Gonçalves Marrão Júnior
(15.02.03 / 14.03.03)

Os Versos da Morte - Arlindo Gonçalves

biografiae-mail

OS VERSOS
O primeiro contato que tive com Os Versos da Morte (1194 -1197), do monge e poeta Hélinand de Froidmont (1170-1230), foi por meio da pequena e bela edição brasileira de 1996 feita pela Ateliê Editorial e Editora do Imaginário.
Com tradução e apresentação de Heitor Megale, professor de filologia e língua portuguesa da USP, a obra foi-me apresentada pela Luciana que é fascinada por poesia, por livros pequenos e pelo tema em si: a representação cultural da morte, da finitude.
Engana-se porém, quem acha que a obra é apenas uma ode mórbida, uma adoração à morte por si só. Em uma leitura rápida na didática apresentação feita pelo professor Megale, descobrimos que a morte, representada por um esqueleto empunhando uma foice, remonta ao centenário compreendido pelos anos de 1150 a 1250 da era crista e que Froidmont produziu o primeiro testemunho literário dessa imagem mítica.
Difundidos, glossados, imitados na posteridade e usados em sermões, Os Versos da Morte, segundo Megale, serviram também para animar os cavaleiros durante as Cruzadas o que lhe valeu outro nome, Cântico das Cruzadas. Neles o poeta contata a Morte e com respeito a encaminha para encontrar e encerrar a Vida. Nesse caminho serão encarados bispos, trovadores e burgueses de toda ordem. A eles a Morte dará o recado de Froidmont: a secular denúncia contra a indiferença religiosa, o desprezo pelos menos afortunados, a insensibilidade política e a falta de respeito para com os seres humanos.

AS IMAGENS
Essa edição de Os Versos da Morte vem acompanhada de belas e fortes ilustrações datadas entre 1463 a 1696. Em todas elas vê-se o clima pesado, alucinante e profético que Froidmont trabalhou em sua obra.
Arrebatado pelas ilustrações, pensei em fazer uma releitura do poema utilizando imagens que demonstrassem um ponto de vista pessoal, muito diferente e distante da época das referidas ilustrações.
A Morte, nesse meu pequeno ensaio, deixa de lado a figura da caveira com a foice e passa a ser representada por imagens de árvores, galhos, lagos sujos e postes velhos. Registros carentes da presença humana, como se a missão proposta séculos atrás por Froidmont enfim tivesse sido totalmente cumprida.

(Arlindo Gonçalves)
5

Morte, tu abates num só dia
O rei ao abrigo de sua torre
E o pobre em sua aldeia.
Tu vagas sem fim noite e dia
E exortas cada um para
Que dirija a Deus seus atrasados.
Morte, manténs a alma em servidão
Até que ela se livre
E pague sua dívida sem retorno.
Tomar emprestado à alma é pouco prudente,
Ela não tem nada para penhorar,
Pois está nua no último dia.

(poema de Hélinand de Froidmont)

Todos os direitos autorais
são reservados aos autores
das obras expostas.

voltar ao acervo
3702
Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente