A Garganta da Serpente
Acervo da Sala das Najas Arlindo Gonçalves Marrão Júnior
(15.08.02 / 15.09.02)

Minhocão Altos e Baixos - Arlindo Gonçalves

biografiae-mail

Sujo, feio, faraônico, ferida aberta no coração da cidade e aberração arquitetônica, são algumas das palavras que descrevem o Elevado Costa e Silva, o famoso Minhocão.

Chamados a opinar sobre ele, arquitetos, engenheiros e urbanistas em geral, divergem sobre o futuro da construção. Há quem defenda sua manutenção com argumentos quase todos de ordem prática, isto é, pelas questões do trânsito. Também existem aqueles que clamam por sua demolição, o que ajudaria a revalorizar os prédios da região.

Sabemos porém, que o Minhocão possui uma face amena, mais interessante. É a face do humanismo que impera aos domingos e feriados, momento em que ele é fechado ao trânsito de dez mil veículos que, diariamente, passam por ali.

No lugar de todo esse movimento, o viaduto abre espaço para uma alegre movimentação de pessoas, a pé ou de bicicleta, andando calmamente ou correndo. É o momento de seus moradores subverterem a função do espaço urbano, humanizando-o, em uma celebração de pessoas que, como todos nós brasileiros sabem achar saídas, soluções e vencer as adversidades.

É essa a face do Minhocão que nos interessa. Foi justamente ela que buscamos desde 1998, ano em que começamos a fotografá-lo, e é um extrato, um corte temático, que agora apresentamos na exposição "MINHOCÃO Altos e Baixos".

(Luciana Fátima e Arlindo Gonçalves)
Arlindo Gonçalves

Todos os direitos autorais
são reservados aos autores
das obras expostas.

voltar ao acervo
2472
Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente