A Garganta da Serpente
ajuda
 
 
  versão para impressãorecomende esta página
Welington Almeida Pinto
saiba mais sobre o autor

Porque ler
(Welington Almeida Pinto)

Vem aí uma nova etapa da política pública do Governo Lula: restaurar o prazer de ler em sala de aula, ou melhor, criar um cantinho de leitura nas escolas. Ótimo! De acordo com a Diretora de Políticas Públicas de Educação Infantil e Ensino Fundamental da Secretaria de Educação Básica do MEC, Jeanete Beauchamp, será um passo importante para construir o hábito de leitura no cotidiano da criança. E mais, ela pensa que também pode atingir boa parte do professorado, pois defende que "Professor que não é leitor dificilmente vai incentivar a leitura dos seus alunos".

Ler é um bom começo na vida de qualquer cidadão. Além de dar prazer é um caminho que ajuda a melhorar as pessoas: aprimora o conhecimento em geral, oferece subsídios para refletir sobre o mundo e a condição humana.

O programa chega em boa hora. O americano Mark Edmundson, professor de língua inglesa da Universidade de Virgínia e autor do livro Why Read (Por que Ler), desenvolve a tese de que a leitura é "a segunda chance que a vida oferece para o nosso crescimento pessoal". Durante a infância e a adolescência, segundo ele, o indivíduo passa por um processo de socialização. Aprende o que é certo e o que é errado com os pais e os Professores e começa a agir de acordo com o senso comum. Para ele, a leitura favorece o desenvolvimento de idéias próprias, conceitos e valores. Sem ela, o homem continua como
um carneiro que segue o rebanho.

LIVROS DO BRASIL.:

Qual a melhor política para distribuição de livros no Brasil?

Primeiro, achamos que o Programa Nacional do Livro deveria abrir mais o leque e permitir a participação dos autores de todos os cantos do Brasil nas suas licitações. O privilégio continua sendo para os fortes editores do eixo São Paulo/Rio. Passei a vida mandando livros para serem avaliados pelo MEC ou MINC e nunca obtive uma resposta nem de aviso de chegada dos exemplares; provavelmente todos foram para o lixo. Minto. Durante o Governo Militar consegui apoio da CHESF para o lançamento do livro "Malta, o Peixinho-Voador no São Francisco".

No fundo, estou criticando e convidando os leitores a reclamar comigo, não da falta de bons livros distribuídos pelo governo, mas da injustiça de ser um autor que, como pequeno editor ou pessoa física não é chamado a participar das licitações para compra de livros pelo Ministério da Educação.
Para tornar o Brasil um país de leitores precisamos também fazer do escritor um cidadão respeitado pelo seu ofício.

Seria bem-vinda a descentralização da aquisição de livro para distribuição entre os alunos das escolas públicas. Bom para o professor, para os alunos e para os autores, que formariam juntos uma frente ampla em sala de aula para atacar o grande inimigo da leitura no Brasil: o nível de alfabetização do povo. Para o Ibope, de acordo com a última pesquisa realizada, 30% dos brasileiros só conseguem ler frases muito simples e curtas, embora os dados
oficiais indiquem que a taxa de analfabetismo é de apenas 13,6%.

Como numa democracia o grande mérito é permitir à sociedade discutir seu próprio rumo, continuo firme na Campanha que sugere ao Comitê de regulamentação da Lei do Livro a inclusão de um livro infantil na Cesta Básica do Trabalhador; extensão do Selo Social do ECT para remessas em embalagem aberta com apenas um exemplar de obra literária; criação da Loteria Cultural para manutenção e implantação de Bibliotecas em Escolas Públicas ; implantação obrigatória de Bibliotecas em escolas particulares, clubes recreativos, associações de classe e empresas com mais de 50 funcionários e a regulamentação do ofício de Escritor.

LER É BOM PARA SAÚDE.:

Uma pesquisa divulgada em julho de 2004 pela fundação cultural norte-americana, National Endowment for the Arts, atesta que um leitor regular tem a vida muito mais ativa e bem-sucedida do que a pessoa que passa o tempo livre vendo televisão ou em outra atividade que não exige raciocínio. Para quem lê a vida é uma sucessão de novas experiências ampliando seus horizontes. No segundo caso, a maturidade torna-se um processo de atrofia mental. A medicina sabe que exercitar a mente através da leitura ajuda até a prevenir o mal de Alzheimer ? doença degenerativa que atinge os idosos - e ajuda a viver com maior disposição.

Outra pesquisa realizada por uma equipe de psicólogos da Universidade York, no Canadá, divulgada em maio de 2004, adiciona novas evidências à importância da leitura e do estudo para o aperfeiçoamento pessoal. Mostra que quem aprende um segundo idioma retarda em muitos anos os efeitos do envelhecimento no cérebro. O bibliófilo paulista José Mindlin, de 89 anos, atribui seu vigor físico e intelectual ao costume de ler desde a juventude. Chega a devorar até 100 livros por ano.

No Brasil, estima-se que apenas 14% da população com mais de 14 anos leiam obras de ficção com regularidade. Cifra muito abaixo da registrada nos Estados Unidos, onde quase 50% dos habitantes são leitores habituais.

4450 visitas desde 4/07/2005

xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx

   
 
» Todos os artigos

» Listar autores


Copyright © 1999-2017 A Garganta da Serpente
Direitos reservados aos autores  •  Termos e condições  •  Fale Conosco www.gargantadaserpente.com