A Garganta da Serpente
ajuda
 
 
  versão para impressãorecomende esta página
Sérgio Domingues
saiba mais sobre o autor

Pasquale e seu Creysson unidos no preconceito
(Sérgio Domingues)

O professor Pasquale ficou famoso por ensinar como falar e escrever corretamente. A fama do personagem Creysson veio por motivos opostos. Ambos têm como referência uma língua imposta por quem venceu a resistência popular. Condenam aqueles que falam as variedades não dominantes da língua à marginalidade.

Para os poucos que não sabem, seu Creysson é um personagem do ator Cláudio Manoel que aparece no programa Casseta & Planeta Urgente, da TV Globo. Barrigudo, mal-vestido, cabelos ralos, com poucos dentes, Creysson anuncia produtos de qualidade pra lá de duvidosas. Mas o fator de maior atração da personagem é sua pronúncia em um português que fica muito distante do que é considerado correto. Um exemplo desse modo de falar é a frase que sempre usa para assegurar a confiabilidade dos produtos que vende: "esse eu agarântio!".

O quadro poderia ser apenas uma sátira à enxurrada de bugigangas vendidas pela tevê. Mas, ganha cores preconceituosas, ao entregar sua promoção a um tipo que lembra pessoas pobres das periferias urbanas, mesmo considerando sua forma caricatural. Afinal, a impressão que o personagem dá aos espectadores é a de que aqueles que não têm educação formal e não sabem falar o português culto, acabam apelando para expedientes, no mínimo, desonestos para ganhar a vida.

Não digo que pessoas assim não sejam freqüentes entre a população mais pobre. Mas, com certeza não são mais freqüentes do que entre os melhor remunerados e com acesso à formação escolar. As inúmeras Comissões Parlamentares de Inquérito (CPIs) que vêm, vão e permanecem na vida política institucional do País, não deixam dúvidas sobre isso.

O quadro pode até ser engraçado, mas não é o talento humorístico dos "cassetas" que estou discutindo. Este é inegável. Estou falando das opções feitas pelo grupo que geram um programa especializado em abordagens preconceituosas, não apenas sobre pobres sem educação formal, mas também quanto a homossexuais, negros, mulheres etc.

No entanto, não devemos mirar apenas nos programas humorísticos quando falamos em preconceito. Alguém que poderia ser visto como o oposto de Seu Creysson, na verdade se revela apenas o outro lado da moeda do mesmo preconceito. Estou falando do famoso professor de português, Pasquale Cipro Neto.

Nem Pasquale, nem Creysson falam a língua do povo.:

Na edição da revista Veja de 11 de setembro de 2002, por exemplo, o professor Pasquale fez a seguinte declaração sobre o personagem do Casseta & Planeta: "Gosto do Seu Creysson e não tenho medo dele. Afinal de contas, ninguém vai começar a falar daquele jeito". Declaração interessante, pois também não conheço ninguém que fale como Pasquale recomenda que falemos. E por que não? Porque a língua que nos ensinam na escola é uma imposição. Uma imposição secular. Produto da dominação sobre outras formas de falar e escrever. Não uma dominação simbólica apenas. Mas a mesma dominação que acabou com os índios e fez dos negros escravos. Daí, a dificuldade em aceitar, por exemplo, o projeto-de-lei do deputado federal Aldo Rebello (PCdoB-SP), que pretende manter a integridade da língua portuguesa. Qual integridade, cara pálida? Aquela que fez milhões de índios desaparecerem dizimados por maus-tratos e doenças? Aquela que explorou dezenas de gerações de africanos para, no final, expulsar os negros do sistema de produção e condená-los à informalidade e à mendicância?

Não estou dizendo que devemos abandonar o ensino da língua portuguesa tal como ele acabou se impondo. Mas, é preciso lembrar sempre que aquele que fala um português que não foi adotado como padrão, não está cometendo erros. Está exercendo seu direito de explorar a riqueza de variedades que qualquer língua falada tem. Deve fazer parte do processo de aprendizado do português oficial, a discussão com os alunos da forma como as outras variedades foram reprimidas. Isso sim é preservar a língua de um povo. Mostrando que ela não é única porque não existe povo único, nem nação única. A unificação sob a sociedade de classes somente se dá com a conscientização pelos dominados do poder que os oprime. A partir daí, é preciso acabar com a dominação para que as verdadeiras variedades (de comportamento, língua, crenças, costumes, etc) se instalem sem preconceitos e imposições.

Cursinhos pré-vestibular: nada a ver com pedagogia.:

Claro que isso nada está sendo discutido nas escolas, sejam públicas ou não. É preciso lutar para que comece a acontecer. Mas o problema é ainda mais grave quando falamos dos cursinhos pré-vestibular. Foi deles que surgiu a figura do professor Pasquale.

Tive aulas com Pasquale no cursinho Etapa por alguns meses no início dos anos 80. Aliás, Pasquale foi o único a me ensinar regras de acentuação nos poucos meses em que agüentei o ritmo do cursinho. Mas nem Pasquale foi meu professor, nem eu fui um aluno dele.

Não há como enxergar qualquer coisa de pedagógico em uma sala de 130 ou 150 alunos, cuja tarefa é aprender em 10 meses o que deveriam ter assimilado em pelo menos 3 anos de escola. Não há professores de um lado e alunos de outro. Há animadores de auditório num palco e espectadores tentando se concentrar num auditório. Entre estes últimos, alguns vão ficar no meio do caminho por falta de dinheiro, de tempo ou de ambos. Dentre os que resistirem, muitos serão barrados no vestibular. Portanto, não se trata de educação. De formação de pessoas com capacidade de pensar por si próprias, de fazer escolhas com um mínimo de clareza sobre o que está em jogo na sociedade. Trata-se de competidores, de finalistas chegando a todo momento perto da linha mortal da desclassificação. Da eliminação por falta de requisitos como uma formação prévia em escolas de bom nível (públicas ou privadas). Condições de estudar sem precisar trabalhar, condições de trabalhar sem precisar fazer horas-extras que inviabilizam o estudo, de trabalhar com um salário suficiente para pagar o curso etc.

Não quero transformar os professores de cursinhos em vilões. São trabalhadores em busca do ganha-pão. Era de Pasquale Cipro. E este já não é mais apenas outro animador de auditórios de cursinhos. Ganhou espaço na mídia. Cobra para fazer palestras e anúncios publicitários. Deu-se ao capricho de fazer comercial para o McDonalds. Uma empresa que vende lixo gastronômico norte-americano para um público que está muito próximo daquele que freqüenta os cursinhos.

A gramática como engrenagem da desigualdade.:

Apesar de toda esta exposição, Pasquale nada faz para denunciar o uso da língua culta como mais uma muralha contra o acesso dos mais pobres a seus direitos. Não denuncia o fato de que a grande maioria da população não tem a menor condição de entender os textos da Constituição e das leis do país. Não explica que a língua é muito mais dinâmica e rica do que querem os manuais de redação. No máximo, ele diz que não faz mal falar essa ou aquela palavra em situações informais. Mas que para fazer um vestibular, preencher uma ficha de emprego, escrever uma carta comercial, não há espaço para informalidades. E ele tem razão se consideramos o público a que está se dirigindo.

Uma avaliação internacional da educação feita pela Unesco em 2002 descobriu que metade dos brasileiros na escola está apenas no nível 1 de alfabetização. Isto é, são capazes de identificar palavras em anúncios e capas de revista. Sabem assinar o próprio nome, mas não conseguem usar a leitura para aumentar seus conhecimentos. Portanto, Pasquale está falando com apenas metade da população. E essa metade espera encontrar em seus conselhos armas para ficar mais competitiva na busca de pouquíssimas oportunidades de emprego e vagas na universidade. A gramática como mais uma engrenagem que mantém o sistema funcionando no sentido da concentração de poder e riqueza. Essa tem sido a função de Pasquale com seus livros, colunas e textos.

Muito mais poderia ser dito sobre essa dupla divulgadora de preconceitos. Mas, minha competência é curta, assim como deve ser o tempo de quem me lê. Quem quiser conhecer alguém que realmente sabe da matéria, acesse a página do excelente lingüista Marcos Bagno: www.marcosbagno.com.br.

3345 visitas desde 7/07/2005

xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx

   
 
» Todos os artigos

» Listar autores


Copyright © 1999-2013 A Garganta da Serpente
Direitos reservados aos autores  •  Termos e condições  •  Fale Conosco www.gargantadaserpente.com