A Garganta da Serpente
Artigos Envenenados textos sobre literatura
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

O que é análise sintática? Qual sua relevância para o ensino?

(R. Carvalho)

Toda ciência tem seu campo de ação, sua aplicação, seus princípios e parâmetros, sendo que os princípios são universais, e já os parâmetros são variáveis; como também cada uma tem sua metalinguagem.

Adentrar o mundo de uma ciência é como pisar em um terreno ignoto que somente com muito estudo e assiduidade, pode-se entendê-la e ainda assim, não se consegue sabê-la no seu todo, mas pode-se adquirir certo conhecimento em determinadas áreas da ciência.

Como percebem, há um mundo complexo e muitas vezes inacessível por detrás de conceitos de determinada área de cada ciência. Como há também, em toda ciência, determinados assuntos que somos obrigados a estudar, dentro de currículos escolares que passam a ser questionados quanto a sua utilização prática para capacitar cidadãos.

Poderíamos dizer que análise sintática é análise de termos de uma oração. Que análise sintática é a verificação de cada termo em separado, dentro de uma sentença. Poderíamos dar vários conceitos isolados que explicam de forma incompleta e sintética demais, mas vamos tentar passar um conceito com mais fundamento.

Para entender melhor é necessário que se tenha conhecimento da morfologia, que é como um campo de seleção com concordância, colocação e regência, já que análise sintática é o campo de combinação dos termos de uma sentença que obedece a três princípios de orientação, que nada mais é do que o campo de seleção-morfologia. Quando separamos e confrontamos as duas análises morfo-sintática as diferenças se tornam bem mais nítidas e compreensíveis.

Quanto a sua relevância para o ensino é relativamente proporcional às exigências da época e do contexto em que a língua é praticada. Assim como a neurolingüística é o despertar de uma nova ciência, nada impede que um dia a análise sintática não conste mais em um currículo escolar, ou quem sabe, possa ser modificada e permanecer, afinal quantos anos foram necessários para se descobrir que nosso movimento terrestre é heliocêntrico? Quanta informação adquirimos em nossa formação escolar e não usamos em nossa vida prática?

A análise sintática é um aspecto da língua que deveria permanecer, por fazer parte da história de nossa língua, por sua capacidade de nos demonstrar a identidade de cada termo, auxiliando-nos a criar textos com mais coesão e coerência, por entendermos onde cada termo deve estar.

Se fôssemos retirar do currículo escolar tudo que "achamos" desnecessário e que já existe desde a formação da língua escrita, acabaríamos sem uma ciência, sem a materialidade da fala, tornando-nos uma nação sem personalidade, sem respeito, com uma língua tão variada que a sociedade se transformaria no caos da comunicação, já que até nossa constituinte estaria escrita de qualquer jeito. A carta magna já é tão desrespeitada com uma linguagem não coloquial, imagine-a escrita na forma como se fala.

Sei que o contexto mundial é de mudanças rápidas - carpe diem - mas vamos dirimir melhor tais mudanças, afinal a língua faz parte de nossa história, de nossa nação, deixemos que a ciência da informática se absorva nesse aspecto, ontem megabyte; hoje terabyte.

  • Publicado em: 05/02/2008
Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente