A Garganta da Serpente
Artigos Envenenados textos sobre literatura
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Sobre O Ler e O Reler

(Raymundo Silveira)

Pela primeira frase de um texto o leitor costuma decidir se continua ou não a lê-lo. É o que está acontecendo com este precisamente agora. Por que estou tão certo disto? Simplesmente porque leio todos os dias desde os nove ou dez anos de idade, encontro-me na faixa de leitores considerada média que engloba a maioria de quem se interessa por leitura, e ajo exatamente assim.

Obviamente, logo mais tarde ele voltará a decidir se quer ou não prosseguir, mas se as primeiras palavras não o interessarem e supondo que se trata de uma leitura por prazer, e não por obrigação, como sucede com quem estuda uma disciplina que detesta, simplesmente porque quer entrar numa faculdade e por isso tem de passar no vestibular, pelo menos o primeiro parágrafo será decisivo para a sua leitura integral.

Ocorre quanto à escrita algo muito semelhante ao que sucede quanto ao cinema. Dizem que certa vez um repórter perguntou a Billy Wilder qual seria a principal razão do seu sucesso como diretor cinematográfico, haja vista que a maioria dos seus filmes se baseia em roteiros aparentemente triviais, e ele respondeu com uma frase de seis palavras: "É simples: basta não ser chato!"

O que me motivou esta escrevinhação foram as palavras de um escritor amigo meu quando amigos comuns o solicitaram a postar os seus textos em mais de um dos sites da Internet e ele se saiu assim: "Não gosto de reprises; de reprises só gosto dos gols do Pelé!" Não concordo absolutamente com isto, a menos que se trate dos textos de um escritor pra lá de chato, o que certamente não é o caso dele, pois tenho o costume de ler os seus escritos por mais de uma vez, do começo ao fim.

Então, a menos que a pessoa deteste ler e seja viciada em futebol, não há como trocar, releituras sucessivas de bons autores pela chatice de ver por diversas vezes o mesmo balão cheio de ar entrando entre três paus, por mais habilidoso que seja o jogador, e por mais espetacular que tenha sido a sua jogada. Se, somente a intensidade do prazer não dispensasse maiores comentários, acrescentaria tantas vantagens da repetição de boas leituras em relação à de lindos gols que, aí sim, me tornaria superchato apenas pela obviedade.

Um tempero a mais a fim de tornar palatável uma escrevinhação é uma pitada de humor. Há textos, aparentemente ocos, mas o autor conhece um macete; uma espécie de erva irresistível, que atrai a atenção de qualquer leitor. Não pretendo ter a audácia de dizer que conheço este tempero, mas todas as vezes que começo a escrevinhar me lembro da frase de Billy e me ponho na situação de alguém que iria ler aquilo que pretendo pôr no papel. Certa ocasião redigi um escrito sobre o tema: "Como Escrever Sobre Um Assunto Que Consiste Em Não ter Assunto Para Escrever". Como se pode aparentemente deduzir, tinha tudo para não ser lido. Pois recebi inúmeros e-mails favoráveis e o mais sóbrio deles dizia que quem o escreveu conseguiria tirar leite de pedras. Mas como tirar leite de pedras e este ser bebível, ao mesmo tempo? Em outras palavras, o que é ser ou não ser chato? Falar simplesmente que um texto chato é aquele que não atrai o leitor é o mesmo que dizer que as trevas são indesejáveis porque nelas não se podem enxergar os objetos e nem as pessoas.

Então, como evitar a chatice? Simplesmente tentando ser original, criativo e evitando obviedades, linguagem rebuscada e repetitiva. Se eu tivesse começado o presente texto por um período como este, por exemplo, dificilmente alguém o teria lido até aqui: "Toda leitura, para ser prazerosa e eficaz, deve ser feita num ambiente confortável, calmo, silencioso e isolado das demais pessoas, do contrário ela não surtirá o efeito que se pretende adquirir, pois daquelas quatro características dependerá o desiderato que alguém almejará alcançar". Acho que fui por demais complacente; certamente o leitor não teria passado daí, ou sequer o tivesse lido todo. E, se acaso caísse agora na tentação de querer mostrar onde está a carência de originalidade e criatividade, bem como, a sua obviedade e a linguagem rebuscada e repetitiva, me tornaria mais chato ainda do que ele.

  • 1954 visitas desde 21/11/2007
Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente