A Garganta da Serpente
ajuda
 
 
  versão para impressãorecomende esta página
Maria José Zanini Tauil
saiba mais sobre o autorfale com o autor

Escritora... Eu?
(Maria José Zanini Tauil)

Certa vez, uma pessoa disse-me que sou escritora formada. Absurdo!

Ter estudado teoria literária ou a língua pátria não faz de ninguém um escritor.

Tenho brilhantes amigos, escritores e poetas, médicos, advogados, jornalistas e muitos não intelectuais, criativos e talentosos, porque escrever é dom como desenhar, pintar e fazer música.

A literatura estabelece a comunhão entre os homens, aproxima-os, mesmo à distância e o tempo não conta. Sou contemporânea de Shakespeare porque falamos a mesma língua, o amor é exaltado em qualquer época. Tenho inúmeros amantes noturnos entre autores clássicos e contemporâneos, que se enfileiram na cabeceira de minha cama e me visitam à luz do abajur. Ultimamente, tenho lido Quintana, Augusto dos Anjosler poemas na Toca da Serpente, Lettie Cowman, Lya Luft e Ray Silveira ler poemas na Toca da Serpenteler trabalhos em Contos de Coraller textos em Veneno Crônico.

Alguns sentem que a crônica é a sua praia; outros preferem ver o mundo poeticamente, outros gostam de argumentar, outros de criar narrativas curtas ou longas. Assim como um bom violonista também gosta de experimentar o teclado, um poeta escreverá crônicas, um romancista, textos de opinião; ou ainda um jornalista, letras de música.

O leitor costuma confundir-se com os textos em primeira pessoa. Com poesia então, ocorre demais. Se falo de um amor sofrido, impossível, as perguntas são: "Está tristinha? O que aconteceu? Você anda estranha!"...Já me chamaram até de "mal-amada". Nem todos entendem que, assim como nos romances existem personagens, protagonistas e antagonistas, na poesia existe o "eu" lírico,que é "personagem" da poesia. O poeta fala por ele, entra em sua pele. Lógico que também existem as poesias confessionais, onde o poeta descreve suas dores de amores.

Não faz parte da minha vivência, (infelizmente) (risos ou sniff?) nenhuma paixão arrebatadora... Casada há trinta e dois anos com o mesmo marido, o fogo da paixão já se extinguiu, o amor se solidificou, empedrou, não corre riscos...

Aí,o que faz a poeta? Deixa de escrever? Aposenta a caneta e o caderno? (ainda os uso). Não... O poeta pinta seus pensamentos de azul, deixa o céu entrar pelos olhos, chega à culminância do sonho, tem uma sensualidade tempestuosa, uma alegria imaterializada, vê a sombra de seu vulto na antecâmara do nada. Através do sujeito lírico, ama, é amado, chora, ri, sofre, tem saudade... Se dá ao luxo de ser louco! Afinal, um pouco de loucura não faz mal a ninguém!



  2199 visitas desde 26/08/2005 Publicado em: 26/08/2005  

xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx

   
 
» Todos os artigos

» Listar autores


Copyright © 1999-2017 A Garganta da Serpente
Direitos reservados aos autores  •  Termos e condições  •  Fale Conosco www.gargantadaserpente.com