A Garganta da Serpente
Artigos Envenenados textos sobre literatura
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Plágio é crime!

(Maria José Zanini Tauil)

Na paródia, intertextualidade, pastiche há o trabalho INTENCIONAL do escritor,há uma sátira, deboche, mesmo crítica,... ou uma intenção de homenagem, que fica bem clara.

Paródia é imitação crônica de obra artística, literária ou musical.

Pastiche, pasticho é obra plástica, literária ou musical, elaborada a partir de fragmentos de uma ou de várias outras, mais expressivas ou célebres, e assim desconsiderada em sua qualidade. É imitação sem valor, ainda que não seja uma cópia direta do original.

Intertextualidade: tem caráter social. É uma elaboração legítima, partindo de outros textos, trazendo à luz um novo aspecto do assunto.

Falar de plágio é falar de consciência e intenção. Quem escreve, deve saber as imposições e coerções a que se expõe.

Veja a diferença:

CANÇÃO DO EXÍLIO
(Gonçalves Dias)
Minha terra tem palmeiras
Onde canta o sabiá
As aves que aqui gorjeiam
Não gorjeiam como lá

CANTO DO REGRESSO À PÁTRIA
(Oswald de Andrade)
Minha terra tem palmares
Onde gorjeia o mar
Os passarinhos daqui
Não cantam como os de lá

É uma paródia-crítica do modernismo ao romantismo-nacionalista.

Em literatura vale tudo? Escrever sem pontuar, usar só minúsculas, usar maiúscula em substantivos comuns. O intérprete vai ter que decifrar a intenção do autor.

Neologismos: criar palavras, inventar verbos, adjetivos, como por exemplo: caetanar (ouvir Caetano) buarquices (manias do Chico) etc, que são errados na linguagem culta, não na poética.

O poeta Gustavo Dourado ler poemas na Toca da Serpente, o mais lido na rede, é mestre de inventar palavras:

O Bra$yl quem U.$.A sou E.E.U.U.

Outro dele:

Nus ins.piramos
O caosmos acasala-se à natura
MorreNasce o sonho

Em pingotas de poiesia

Usei um texto de Dourado dentro do meu texto. Isso é intertextualidade. Não plagiei nem copiei.

Plágio é apropriação de texto alheio tomando para si a autoria... e continua sendo crime. É calar a voz do plagiado.

A linguagem poética é artesanal: Posso escrever REGREÇÃO DA REDASSÃO, mas a intencionalidade será notada.Não escrevi por não saber ortografia. Cabe ao leitor descobrir a minha intenção. Aí reside o encanto da literatura!

  • 5610 visitas desde 1/07/2005
  • Publicado em: 30/01/2005
Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente