A Garganta da Serpente
Artigos Envenenados textos sobre literatura
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Confissões de um escritor

(Marcial Salaverry)

Acusam-me de manipular ilusões, de iludir corações, de modificar sentimentos, e até de causar alguns lamentos. E tudo isso, apenas por ser escritor, por falar sobre a dor e o amor. Por defender a Natureza, por brigar pela Paz, por defender direitos dos menos favorecidos, por falar mal de políticos corruptos (e qual não o é?)

Se por isso for condenado, digo que sim, confesso-me culpado, por ter muito escrevinhado...Contudo, posso assegurar que foi em legitima defesa, pois é assim minha natureza. Querer defender a Natureza...

Espero que concordem comigo, pois ficar sem escrever, não consigo, e isso posso assegurar, que é de precisão quase vital, pois escrever, é sentir necessidade de falar sobre a felicidade, de falar sobre a vida e suas maravilhosas lições de vida. Escrever é um desejo de transmitir tudo o que sabemos e sentimos, e de maneira que todos possam sentir que a vida é uma beleza, e que para nossa sobrevivência, é preciso amar a Natureza, é preciso amar a humanidade, é preciso amar a vida, e saber vive-la. Principalmente é saber que devemos saber respeitar a presença e os pensamentos alheios.

Escrever é fazer sentir que vivendo um amor, devemos nele sentir a reciprocidade, tão necessária para que um amor sobreviva..É mostrar para todos, que é preciso amar-se, para que se possa saber como amar a outrem. É provar categoricamente que a vida fica melhor, sempre tendo nos lábios um sorriso, pois a vida fica mais leve, com muito amor e pouco siso...

Enfim, escrever é sobre tudo isso falar, sempre sabendo amar...

Sabendo muito bem amar aqueles que nos amam, mas nunca deixando de sentir uma simpatia pelos que nos detestam, pois não podemos julgá-los por seus sentimentos. Afinal, nem todos são perfeitos, todos temos nossos defeitos. E se os temos, é preciso entender que todos os tenham. É muito importante saber que aqueles que nos amam, o fazem não porque somos perfeitos, mas sim, apesar de nossos defeitos, pois é aí que está o cerne do verdadeiro amor.

Escrever, minha querida, é saber dedicar sua vida ao amor e ao carinho, fazendo sempre esse caminho em busca da felicidade... Escrever é externar seus sentimentos, essa coisa que desatina, esse amor que pode mesmo ser quase um lamento, mas é algo que ajuda a viver a vida, mostrando-nos como ela é boa pra ser vivida...

Amar, é também sentir saudade daqueles a quem amamos, quando estamos distantes, afinal a distancia não pode significar fim de um amor, se for um sentir firme e bem sentido. Claro que nosso desejo sempre é querer a felicidade. Então, escrevemos doces palavras sobre esse insano desejo de receber de seu amor uma caricia, um beijo.

Palavras sobre o amor, querendo dizer que a vida tem calor. O calor de um amor, ainda que distante, mas junto o bastante, para sentir o toque suave das mãos de quem amamos, receber aquele doce beijo, sentir na pele a caricia despertando o desejo. E isso, simplesmente, é vida. Escrever sobre tudo isso, transmite a alegria sentida que sentimos apenas pelo fato de estarmos vivos. E se por isso for condenado, claro que me confesso CULPADO. Mas acredito que no consenso geral, a pena que deverei receber, é ter UM LINDO DIA, e quem quiser compartilhar essa punição comigo, que venha desfrutar desse dia...

  • 1255 visitas desde 17/05/2010
Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente