A Garganta da Serpente
ajuda
 
 
  versão para impressãorecomende esta página
Leonardo de Magalhaens
saiba mais sobre o autor

O que é escrever bem?
- breve ensaio -
(Leonardo de Magalhaens)

Recebi a três semanas um e-mail a indagar-me o que seja 'escrever bem'. Confesso que fiquei a meditar uns bons cinco minutos antes de encontrar uma linha de argumentação suficiente o bastante para responder tal questão.

Também fui reler O QUE É LITERATURA? Do filósofo francês Jean-Paul Sartre, além de trechos de Bachelard, a procura de uma iluminação súbita, um insight providencial, que me orientasse no momento de abordar a minha própria atividade.

Por que este receio? Por que este temor de tentar desmistificar a escrita? Lembro de uma parábola húngara que, de inusitada, retrata bem o problema.

Dizem que numa aldeia, ao sul de Budapeste, havia um homem que era um excelente operador, com cortes rápidos e certeiros, não com um bisturi, mas com uma navalha! Que era muito mais habilidoso que muito cirurgião da capital. Até catarata o homem operava. Fazia o paciente sentar-se na cadeira, em sua oficina (pois o homem era artesão) e abrindo as pálpebras lacrimejantes, passava a navalha nos olhos, deixando as vistas limpas! Isso antes ninguém vira! E a notícia correu mundo, até chegar à capital. Um doutor de Budapeste desceu até a aldeia, para conhecer o tal 'mão de ouro' e encontrou mesmo.O homem diante de uma matrona, acompanhada pelos filhos, e por catarata nos dois olhos. Ela dizia apenas enxergar os vultos mais próximos. Pois é, o homem, num gesto preciso, correu a lâmina sobre o olho direito e - pronto! - o manto nebuloso sumiu! Aí o médico quase perdeu o fôlego, abordou o artesão com um palavreado hermético e gestos enfáticos: "mas o senhor não sabe que é um olho! Não pode entender fragilidade da íris, a delicadeza da esclerótica, e o cristalino, então! E não puxe a pálpebra tanto assim pode provocar um desligamento!"

O Artesão ficou ali, de boca aberta, a tentar entender aquele mistério todo - e sua mão começou a tremer! Sim, diante do olho esquerdo - e sua mão tremia! "Não, não posso operar! Não posso tocar em algo tão frágil!" E a mulher ficou com o outro olho nublado.

Moral: quando se pensa muito, não se anima a agir - ou - não só de conhecimento se faz a ação. Ou qualquer outra moral.

Mas eu vejo assim: enquanto o artesão não conhecia a complexidade de um olho, ele agia por instinto, por prática, como muitas parteiras do interior, que desconhecem obstetrícia. E quanto tomou conhecimento, perdeu a sua coragem em si mesmo. Assim como muitas parteiras ficariam perplexas se encontrassem uma obstetra.

Assim é com muitos profissionais (e amadores) da escrita - uns possuem o instinto, o feeling, a audácia, o enredo, mas desconhecem a técnica, a gramática, o dicionário, ou seja, o manual de redação; enquanto outros são professores, mestres em literatura, vivem meio às apostilas e manuais, mas, no entanto, não escrevem nem um poeminha que convença.

Sim, enquanto alguns têm a técnica, e são estéreis, outros têm o talento, e são ineficientes. Estes não conseguem se aprimorar, devido ao pouco embasamento lingüístico, aqueles não produzem por faltar o dom da observação e da imaginação.

Posso enumerar vários exemplos dos dois casos, lembrando aqui autores de BH, Betim e Contagem, que conheço e acompanho a obra, mas seria excessivo. Até porque o padrão tem sido esse mesmo, e o bom escritor é aquele que consegue unir talento + técnica. E eis o segredo para o sucesso (que ainda necessitará de um terceiro ingrediente: a mídia).

Escrever bem é dominar uma técnica para expressar construtos da imaginação. É saber comunicar incomunicável, e com clareza temática e correção gramatical. É construir uma ponte até o outro - feita de concreto e diamante. É dizer algo novo e com formato novo. É transtornar a linguagem após tê-la ultrapassado (e não como muitos fazem., ao justificarem erros idiomáticos, alegando novidade artística!)

Escrever bem é apropriar-se do mundo observado numa perspectiva totalmente pessoal e tornar tal observação numa descrição capaz de alcançar e seduzir o outro. Até porque 'alcançar' já é um desafio, pois é um encontro de transcendências, uma capacidade de transpor os abismos entre as consciências - o objetivo confesso da comunicação.

Escrever bem é saber O QUE direi e o COMO direi - é aliar a mensagem e a estética - é anunciar as núpcias químicas entre uma boa história e as exigências da gramática - é além de tudo apresentar a obra como natural, espontânea, sem transparecer os esforços e o sofrimento.

E, claro, ser original - pois senão serás apenas autor (a) de mais um livro nas abarrotadas estantes.

É isso. Espero ter respondido a pergunta.


xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx

   
 
» Todos os artigos

» Listar autores


Copyright © 1999-2017 A Garganta da Serpente
Direitos reservados aos autores  •  Termos e condições  •  Fale Conosco www.gargantadaserpente.com