A Garganta da Serpente
Artigos Envenenados textos sobre literatura
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Personagens abandonadas a si mesmas
- ensaio breve sobre a escrita de Clarice Lispector -

(Leonardo de Magalhaens)

A Literatura enquanto construção de signos e arquétipos, que alcançou, no Brasil, a maturidade com obras referenciais, tais "Macunaíma", de Mário de Andrade, e "Grande Sertão:Veredas", de Guimarães Rosa, cedeu espaço, na geração 50/60, a uma literatura de introspecção e depoimento, onde a voz narrativa pode até tecer enunciados sobre o transcendente, mas sempre a partir de si mesma. Isto é, falando do universal ao discursar sobre o individual.

Assim é Clarice Lispector, mergulhada em suas dúvidas, sempre tentando testemunhar o "caos interior" que dá luz a uma "estrela dançarina", nas palavras do profeta alemão Friedrich Nietzsche. Diante de sua máquina datilográfica, desabafando seus temores e ansiedades existenciais, sem retocar ou revisar os textos, Clarice Lispector procura registrar suas 'epifanias', ou seja, encontros imediatos com a percepção de ser-existente, um-com-todas-as-coisas e separado-pela-Consciência.

Sua escrita, sem paralelo (exceto por perspectivas de Poe, Dostoievski e Virginia Woolf) traz o desconforto diante dos fatos que outros julgam cotidianos e normais. A percepção que remove os véus do padronizado é o instrumento que Clarice Lispector manuseia ao relatar suas experiências com o que passa despercebido aos demais.

Ao evitar retocar ou revisar seus textos, Clarice Lispector procura manter a integridade (e instantaneidade) de seus relatos que pretendem 'fotografar' um momento e a emoção que este produz na mente desperta e sempre alerta.

Partindo de situações-limite (um homem em fuga, em "Maçã no Escuro", ou uma mulher diante de uma barata, em "A vida segundo G.H.", etc), Clarice Lispector mostra as reações de uma personagem que perde as referências e precisa criar novas. Quando todo o castelo de cartas da realidade desaba, sobram apenas uns fragmentos de identidades e lembranças de uma de segurança volátil. O ser começa a duvidar até da própria existência.

Se todas as referências volatizam e a construção de novas custa um dispêndio colossal de energia e dedicação íntima, as personagens se encontram, momentaneamente, num vácuo de perspectivas, sem compromisso, ainda que existindo. Nem todas conseguem sair desde vácuo, muitos desesperam, tal a personagem-narradora no conto "Perdoando Deus", onde um simples rato basta para destruir toda a sua boa-vontade.

Notando o desconforto existencial das personagens, muitas imersas na solidão, ainda que altruístas e criativas, pode-se constatar que o "abismo entre as almas é jamais transposto" (como escreveu Fernando Pessoa), o que causa o mal-estarmaior de não poderem confiar em outros e relatarem assim suas dúvidas e conflitos. As personagens estão abandonadas a si mesmas. E à procura de si mesmas. Onde encontrarão um guia?

A necessidade de exteriorizar apreensões e anseios é outra marca das tantas personagens de Clarice Lispector, que vivem à espera de alguém que ouça tais pensamentos e compartilhe tais sentimentos, sempre sofrendo pela falta de confiança, sendo jogadas de situação em situação, como cobaias de uma experiência bizarra - a experiência do existir.

Assim, Clarice Lispector deixa seu testemunho, de uma escrita tortuosa, plena de ânsias, mas destinada a deixar uma mensagem - a vida dói, mas a escrita alivia.

(fev2006)

  • 63 visitas desde 2/04/2017
Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente