A Garganta da Serpente
ajuda
 
 
  versão para impressãorecomende esta página
Leonardo Teixeira
saiba mais sobre o autor

Poesia da primavera
(Leonardo Teixeira)

Há uma certa tendência na literatura atual pelo minimalismo, a exemplo do movimento Práxis. Os minicontos priorizam os leitores cada vez mais distantes, com menos tempo para se dedicarem à leitura. Entretanto, a leitura, como alimento prioritário da alma, revigora o crescimento intelectual pela arte. E a poesia é a verdadeira essência da palavra, o cerne de toda a literatura. Obra de arte lapidada.

Eis um perigo: reduzir a poesia à minúscula verve e relevá-la ao mar das coisas comuns. Ledo engano. A poesia sempre deve estar comprometida com a essência, com o sentimento, com a visão das coisas aparentemente invisíveis ao homem comum, como diria Octavio Paz.

Carregar o fardo de poeta num mundo tão avesso e cruel é árdua tarefa. E a poesia também é essencialmente lírica. A metáfora é a jóia máxima de toda arte poética. A primavera de 2005 trouxe uma novidade poética. O livro Punhos da Primavera, a ser lançado hoje às 19h30 na Fundação Jaime Câmara, é de um poeta comprometido com a palavra, com a metáfora e a lírica sempre lapidando as palavras. Os poemas de Weder Soares não são tão curtos quanto essa nova tendência, mas não torrencialmente longos como os tradicionais românticos. Weder busca nos versos a sua verdadeira identidade, como se pegasse as palavras pelos seus miolos, tirasse as suas cascas adjetivais excessivas, cortasse alguns fiapos verbais e debulhasse as imagens líricas e lúdicas, brincando com os parênteses, dando dois sentidos ao mesmo contexto. Weder imprime a musicalidade nas Árias, nos Cantos, nas Sonatas e no restante de seus versos, desconcertando o leitor desavisado. Vai "soletrando as ruas", "desmanchando sol", "apresentando o mar", desatando o "nó de fel/icidade", em "versos empoeimados" que "entre os dedos afago"; me "curvo ao pé do poema" e guardo na "caixa de segredos". Há lembranças de Yêda Schmaltz? Sim. Cada palavra é o impacto de um murro, desses Punhos de Primavera. O leitor fica atordoado.

Por isso é que se diz que cada leitura muda o leitor. Impossível ser o mesmo depois de ler qualquer bom livro. Sem pretensão mercadológica, os melhores livros não costumam ficar em listas dos mais vendidos. Segundo o crítico Antônio F. Borges, "a boa ou má qualidade de um livro não decorre absolutamente dos resultados financeiros, embora às vezes a recíproca possa ser verdadeira: afinal, livros ruins num país sem larga tradição de leitura... bem, é fácil deduzir o resto da equação".

Tanta revolta revelaria lamúria por uma cultura escassa que se vende (e caro) por muito lixo. Mas é o preço que se paga para, ao invés de massagear a massa cinzenta, enaltecer o ego, num mundo necessitado de valores. Gosto não se discute, mas a boa leitura não se vende e nem se ganha: aparece para alimentar o espírito.

10846 visitas desde 8/07/2006

xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx

   
 
» Todos os artigos

» Listar autores


Copyright © 1999-2017 A Garganta da Serpente
Direitos reservados aos autores  •  Termos e condições  •  Fale Conosco www.gargantadaserpente.com