A Garganta da Serpente
ajuda
 
 
  versão para impressãorecomende esta página
Hélio Consolaro
saiba mais sobre o autor

O que é literatura?
(Hélio Consolaro)

Quem não conhece a vida rural ou a vaca, fala que o leite vem da padaria ou do supermercado. Assim acontece com a literatura. Alguém poderá responder que literatura é aquilo que se estuda na escola, que ela esteja restrito ao mundo escolar.

Há outra deturpação. A pessoa resolve escrever para ficar famosa, e acha que a literatura é o caminho. Na verdade, a pessoa escreve (ou pinta, ou esculpe, ou...) porque sente necessidade de extravasar, quer se doar ao outro.

A literatura, antes de ser estudo, foi vida, criação de uma pessoa, é a simulação da vida. Toda pessoa devia ter uma arte preferida para se expressar ou fruir, como se fosse um hobby, porque nela expressa a sua alma.

Algumas pessoas escolhem a música, outras a pintura, o cinema. E há quem goste de escrever, fazer contos ou poema, novelas ou romances, sem objetivo prático, apenas para ter prazer, com toda gratuidade possível num sistema de mercado. Esses fazem literatura.

Que ela seja objeto de estudo nas universidades e nas escolas é uma conseqüência inevitável, mas não deve ser o objetivo primeiro de quem a faz.

Completa-se aqui com a definição com Afrânio Coutinho:

"A Literatura, como toda arte, é uma transfiguração do real, é a realidade recriada através do espírito do artista e retransmitida através da língua para as formas, que são os gêneros, e com os quais ela toma corpo e nova realidade. Passa, então, a viver outra vida, autônoma, independente do autor e da experiência de realidade de onde proveio. Os fatos que lhe deram às vezes origem perderam a realidade primitiva e adquiriram outra, graças à imaginação do artista. São agora fatos de outra natureza, diferentes dos fatos naturais objetivados pela ciência ou pela história ou pelo social.

O artista literário cria ou recria um mundo de verdades que não são mensuráveis pelos mesmos padrões das verdades factuais. Os fatos que manipula não têm comparação com os da realidade concreta. São as verdades humanas, gerais, que traduzem antes um sentimento de experiência, uma compreensão e um julgamento das coisas humanas, um sentido da vida, e que fornecem um retrato vivo e insinuante da vida, o qual sugere antes que esgota o quadro.

A Literatura é, assim, a vida, parte da vida, não se admitindo possa haver conflito entre uma e outra. Através das obras literárias, tomamos contato com a vida, nas suas verdades eternas, comuns a todos os homens e lugares, porque são as verdades da mesma condição humana.
"

8782 visitas desde 13/04/2006

xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx

   
 
» Todos os artigos

» Listar autores


Copyright © 1999-2017 A Garganta da Serpente
Direitos reservados aos autores  •  Termos e condições  •  Fale Conosco www.gargantadaserpente.com