A Garganta da Serpente
Artigos Envenenados textos sobre literatura
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

A arte de não ler

(Hélio Consolaro)

Não li o livro "Como Falar dos Livros que Não Lemos", do psicanalista e professor de literatura francesa, Pierre Bayard, pois não houve ainda a tradução do francês para o português. Tomei conhecimento dele pela resenha de Jerônimo Teixeira, publicada na revista Veja, edição de 16/5/2007.

Nenhum bom escritor é um leitor voraz, ele é seletivo. A leitura de um livro precisa mexer com a vida de quem o lê, caso contrário, não passará de mero hábito de leitura, entretenimento. A não ser que seja literatura de consumo, como livros policiais, best-seller. Quem come demais, não aproveita todo o alimento ingerido.

Aliás, hoje nossas bibliotecas privadas são projetos de leitura, não leremos todos os livros de nossas estantes. Aliás, como está o mercado editorial, dinâmico, se tornou impossível ler toda a bibliografia de cada área profissional.

Então, o professor Pierre Bayard ensina como ser malandro nesse mar de livros: faça como aquele estudante que vai fazer o vestibular sem ter lido os livros da lista de leitura obrigatória, se vira, leia resenhas e resumos.

Às vezes, a pessoa quer parecer culta, não declarar que não leu tal obra, então há alguns macetes do francês, como:

1. NÃO TENHA VERGONHA - todos têm lacunas na sua formação cultural. Nas rodas em que se discute literatura, não há por que imaginar que o sujeito ao seu lado conheça mais de uma obra do que você.

2. IMPONHA SUAS OPINIÕES - opiniões sobre literatura são sempre um tanto arbitrárias. Fale bem ou mal de um livro, mas fale com convicção - e ninguém desconfiará que você não o leu.

3. INVENTE LIVROS - todo leitor é traído pela memória. Assim, você pode inventar novos episódios para um livro, ou até falar de autores e livros que não existem. Se alguém apontar o erro, diga, rindo, que sua memória confundiu as coisas.

4. FALE DE SI MESMO - Oscar Wilde ensina que a crítica literária é uma forma de autobiografia. Fale do significado pessoal que um livro tem para você - mesmo que não o tenha lido.

Se você, caro leitor, não lê quase nada, não se assuste. Ruth Rocha, escritora brasileira, disse que milhões de pessoas viveram sem a leitura. Graciliano Ramos, outro escritor brasileiro, disse, no final de sua vida, que se arrependia de ter metido o nariz nos livros, perdido a sua vida com isso.

Leia porque você gosta, deixe de fazer pose. Se começou a ler um livro e não gostou, pare! Não faça como o Consa, que não entende nada de francês, não leu o livro de Pierre Bayard e ainda se atreve a escrever sobre ele numa coluna da Academia Araçatubense de Letras. Que cara-de-pau!

  • 2039 visitas desde 23/11/2009
Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente