A Garganta da Serpente
Artigos Envenenados textos sobre literatura
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

A diferença entre erro e violação

(Hélio Consolaro)

Perguntaram-me se em publicidade é possível violar as regras para alcançar um certo efeito. Lógico que é possível. A primeira geração do Modernismo brasileiro, estilo de época da literatura, fez isso com maestria.

Combate-se na publicidade, como em qualquer setor, o erro provocado por desconhecimento. O uso padrão do português é exigente, ele é determinado pela gramática normativa. E a escrita é norteada por esse uso.

Não se é rigoroso, por exemplo, com o uso coloquial do português, aquele que falamos diariamente nos relacionamentos pessoais. E a publicidade usa-o muito em seus anúncios, pois ele é mais espontâneo e alcança todas as camadas sociais.

Como afirma Antônio Sandmann em seu livro "A Linguagem da Propaganda", Editora Contexto: "A linguagem da propaganda se distingue, por outro lado, como a literária, pela criatividade, pela busca de recursos expressivos que chamem a atenção do leitor, que o façam parar e ler ou escutar a mensagem que lhe é dirigida, nem que para isso se infrinjam as normas da linguagem padrão ou se passe por cima das convenções da gramática normativa tradicional e, em certo sentido, da competência lingüística abstrata geralmente aceita".

Há uma enorme diferença entre erro e violação consciente da regra. A primeira é fruto da ignorância, enquanto a segunda, da rebeldia, da quebra das estruturas.

Exemplo: escrever Brazil (com z, forma inglesa) e Brasil (com s, forma portuguesa). O verso da música "Querelas do Brasil", de Aldir Blanc e Maurício Tapajós: "O Brazil não conhece o Brasil" joga com as duas formas propositalmente.

Se um aluno escrever em sua redação "Brazil" sem nenhuma razão ou motivação, se constitui em erro.

  • 2537 visitas desde 9/10/2009
Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente