A Garganta da Serpente
Artigos Envenenados textos sobre literatura
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Para compreender um texto

(Hélio Consolaro)

A má compreensão de um texto pode ter suas causas detectadas. O professor em sala de aula pode ajudar um aluno com problemas no entendimento do material lido fornecendo-lhe subsídios ou o próprio leitor, autodidata, pode superar as dificuldades se fizer consultas, recorrer a outras fontes.

Eis algumas das causas:

1 - O leitor não conhece os recursos lingüísticos utilizados, uma regência verbal. Exemplo: "O discurso do governador foi de encontro às reivindicações dos grevistas". O leitor precisa saber que "ir ao encontro de" quer dizer concordar; "ir de encontro a" tem o sentido de discordar, confrontar. Então, o governador frustrou os grevistas;

2 - O leitor não compartilha com o produtor do texto o conhecimento de mundo, por isso se faz necessário esclarecer todas as referências históricas, geográficas, mitológicas, literárias, como as palavras desconhecidas. Exemplo: "... assim como Zeus humano, o cronista também arranca das entranhas de Cronos os filhos que ele quer devorar, na medida em que não deixa perecer no tempo a matéria fugaz da vida, registrando-a e salvando-a do esquecimento". Para entender tal explicação precisa se reportar à mitologia clássica;

3 - O leitor deve conhecer as circunstâncias históricas em que o texto foi produzido, quais foram as reações que ele produziu quando foi publicado pela primeira vez. Exemplo: para entender bem o poema "Os Sapos", de Manuel Bandeira, o leitor necessita conhecer a briga dos poetas modernistas com os parnasianos;

4 - Se o texto lido exige conhecimento prévio de outro texto porque há uma relação de intertextualidade, o leitor precisa buscá-lo. Isso acontece na paródia, na citação ou na paráfrase. Exemplo: "Ai que saudades que eu tenho/ Da aurora de minha vida/ Da minha infância querida/ Que os anos não trazem mais.../ Me sentia rejeitada,/ Tão feia, desajeitada,/ Tão frágil, tola, impotente,/ Apesar dos laranjais." (Primeira estrofe do poema "Ai que saudades...", de Ruth Rocha). Para entender melhor esses versos se faz necessário saber que Casimiro de Abreu escreveu "Meus oito anos".

Compreender bem um texto não basta soletrar letras, ler palavras ou frases que o compõem. É indispensável a inserção cultural do leitor, por isso alfabetizar é um ato bem maior, não pode depender apenas da pequenez de uma cartilha.

  • 3430 visitas desde 31/05/2007
Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente