A Garganta da Serpente
ajuda
 
 
  versão para impressãorecomende esta página
Hélio Consolaro
saiba mais sobre o autor

Estrangeirismo - vendilhões da cultura brasileira
(Hélio Consolaro)

Há um entreguismo praticado por um grupelho de publicitários, executivos e endinheirados que vivem voando para Miami, bem no estilo do casamento de Ronaldinho e Daniella Cicarelli (prenome e sobrenome com eles duplos), chique como Fernando Collor de Mello. Tudo verniz, no primeiro conflito, dão “barraco”, mostram sua essência.

Esse estrangeirismo exacerbado por subserviência cultural é que faz aparecer projetos nacionalistas (outra praga) de proibição de incorporação de palavras estrangeiras ao português, a exemplo do apresentado pelo deputado federal Aldo Rebelo (PcdoB).

A resistência está no povo. Ainda bem que o povo brasileiro, principalmente o do interiorzão, a exemplo do presidente Lula da Silva, não gosta de inglês, se enrola todo com o idioma de George Bush. Parece um paradoxo, mas é a simplicidade de nosso povo (ou, como querem alguns, a ignorância) é que fará preservar a nossa cultura, porque o império romano ao invadir uma região, atacava de imediato dois elementos importantes da alma dos derrotados: a língua e a religião. Convido professores de Português a trabalhar a música de Samba do Approach, de Zeca Baleiro, como forma de conscientização contra o estrangeirismo. Se algum colega quiser, tenho proposta de trabalho com a letra da música. Basta solicitar.

Para não dizerem que seja ranhetice desse professor, reproduzo aqui artigo do jornalista Eduardo Martins, consultor de língua portuguesa do jornal O Estado de São Paulo:

“Se o leitor precisar de um serviço diferenciado, basta utilizar o e-business on demand de uma grande empresa internacional de informática. Já a fabricante de aparelhos eletrônicos, para mostrar que busca sempre o bem-estar do consumidor, tem como lema Ideas for life. E a companhia brasileira de aviação oferece a todos nós o smiles one way, uma forma rápida de computar a nossa milhagem.

Na grande feira anual da moda realizada na capital paulista, a São Paulo Fashion Week, os fashionistas apresentam as suas criações, que depois vão figurar nos anúncios com nomes como chintzed linen jacket e grained calf light shoes.

As vitrines dos shoppings e os anúncios na imprensa convidam o público a aproveitar as sales, que podem ser summer sales, winter sales e autumn sales. Em todas as liquidações (definitivamente, o nosso não é um idioma fashion), o preço dos artigos varia de 15% a 70% off e freqüentemente incluem discontinued models. As promoções podem ainda chamar-se Day Off e trazer uma inacreditável crase na indicação “à partir de”. Em outros apelos, toda sale pós-Natal proclama o dia seguinte como day after.

Seria injusto, porém, considerar o uso abusivo do inglês prática exclusiva do universo de Gisele Bündchen. As competições não ficam atrás. Assim, por exemplo, os bikers poderão utilizar suas mountain bikes em qualquer edição da Bike Race Accross, tão empolgante quanto a Paraty Land Adventure. Para recepções grã-finas recomenda-se high black & white (ou black-tie preto e branco). A Escrava Isaura, novela da Rede Record, foi, para todos os efeitos, um remake (e jamais remontagem ou nova versão) da antiga produção da Rede Globo. Também na TV, existem breaks e não intervalos comerciais, e a avaliação da audiência se faz por meio de share e marketshare. Por fim, quando homem se veste de mulher, mas não é gay, pratica um crossed dressing.

Na economia, empresas fabricam tampas easy open, carros dispõem de brake light (luz de freio não deve soar bem) e cartões de crédito lançam programas como Membership Rewards. Agências de publicidade buscam seu target (e nunca objetivo) e procuram valorizar o conceito de branding, enquanto serviços de money market, financial drawback e call center se difundem.

A dança das palavras, é justo reconhecer, atinge todas as áreas de atividade: serial killer (por que não matador em série?), países em default (eufemismo para calote), food service, festa rave, pit stop, teen, warm up (que tal aquecimento?), playoff, feedback, input, know-how, interface, ranking, catwalk, point, revival, catering, fitness lounge, happy hour, backstage, hardcore, hitmaker.

Faltou algo? Claro. Mas, se banirmos o onipresente delivery, será que vamos conseguir encomendar a pizza habitual? Alguma casa do gênero ainda se lembra do anacrônico entrega em domicílio?”

8430 visitas desde 27/04/2007

xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx

   
 
» Todos os artigos

» Listar autores


Copyright © 1999-2017 A Garganta da Serpente
Direitos reservados aos autores  •  Termos e condições  •  Fale Conosco www.gargantadaserpente.com