A Garganta da Serpente
ajuda
 
 
  versão para impressãorecomende esta página
Flávio Alves da Silva
saiba mais sobre o autor

A produção de textos nas escolas
(Flávio Alves da Silva)

PRODUÇAO TEXTUAL: DIFERENTES ABORDAGENS.:

A escrita, enquanto produção de texto, não se constitui em um ato de solidão, de intimidade exclusiva entre o produtor e o texto.

A pratica da escrita na escola é um fato monológico no qual o aluno escreve para si. Considera-se uma escrita para si pelo fato que apenas o aluno imprime significação ao texto produzido, sem levar em consideração os demais membros constituintes do processo de comunicação. A produção de texto é realizada dentro de uma perspectiva singular de linguagem. Dentro do contexto escolar a linguagem possui duas concepções, ambas de caráter monológico. A primeira, traz a linguagem como expressão de pensamento, isto é, a escrita de um texto deve expressar a maneira qualitativa do pensamento de seu produtor. Essa concepção é fundamentada no uso da gramática normativa, com isso um texto bem escrito deve seguir as normas da língua culta normativista, e deve apresentar, de forma lógica, o pensamento de seu produtor, sem influências exteriores. A segunda, tem a linguagem como instrumento de comunicação que leva uma informação de um emissor para um receptor e exerce apenas essa finalidade. Segundo essa concepção o texto traz em si o objetivo estrito e restrito de transmitir, de transportar essa uma informação, sem interferências de ruídos comunicativos, deve ser conciso e objetivo.

A escola tem sua prática de produção textual sedimentada nessas concepções, reducionistas, da linguagem e da escrita. Na prática escolarizada o aluno/produtor elabora um texto simplesmente para obter uma nota preocupa-se apenas em levar uma informação acerca de determinado tema ao professor/receptor. Procura, simplesmente, moldar suas mensagens dentro das exigências gramaticais normativistas. O professor limita-se a uma prática gramaticalista de avaliação textual, na qual ele apenas assinalar/marca os erros no texto, subtrai os pontos da nota, e o devolve ao aluno sem apontar soluções para esses erros. Com isso o professor encerra essa atividade, não retornando a esse texto para, por exemplo, uma possível reescrita.

A produção textual é um processo dialógico que deve estar contido na escola, mas, também, vai além de sua jurisdição. A pratica da escrita também possui uma realidade, uma prática social e suas utilizações nessa realidade. Fatores que devem ser considerados pelo professor em sua postura mediadora do conhecimento. Essa prática social cobra dos produtores textuais e dos professores uma(s) utilização(ões), alguma(s) finalidade(s), onde e quando será útil a prática da produção textual. Para tanto, o professor deve buscar situações que coloquem o aluno em contato com essas questões e procurando soluciona-las. Busca-se situações/experiências da realidade do educando, procurando leva-los a trabalhar no campo das idéias concomitantemente ao trabalho no campo das palavras.

Os critérios do professor para analise do texto devem ser gramaticais e lingüísticos em uma constituição interdependente. Dessa forma a linguagem e a produção textual adquirem uma outra concepção, uma formação dialógica na qual é levado em consideração todos os constituintes do processo comunicativo. Portanto, o texto abrange além de uma simples informação, inseri-se nele outros fatores como as marcas pessoais do produtor, do contexto em que se estar inserido, da formação discursiva a que pertence, da sua finalidade, etc. Com isso o texto constitui seus sentidos pela sua inserção num processo real de interlocução. O texto, assim como a linguagem, em sua formação dialógica é um processo contínuo, cíclico, é recheado de marcas, de vozes, de sujeitos que interagem e dialogam entre si.

Essa abordagem possibilita trabalhar o texto mais profundamente tornando-se possível, além da questão gramatical, uma abordagem crítica, um estudo das diferentes modalidades textuais e de suas estruturas e/ou esquemas abstratos, como também trabalhar questões como a intencionalidade, recursos e estratégias utilizadas para alcançar determinado (possível) objetivo, dentre outras questões. Sobretudo, para a efetivação de uma produção textual abrangente e formadora de produtores, as ações desenvolvidas na prática do ensino e da produção textual devem ser realizadas dentro do processo dialógico de construção do conhecimento.

PROPOSTA DE PRODUÇÃO DE TEXTO.:

JUSTIFICATIVA:
A turma C do Ensino Médio do C. E. Bernardo Sayão apresenta uma carência na produção textual. Os alunos possuem uma grande dificuldade na produção de textos quanto a sua conceituação em tipos de texto e gêneros textuais, além de possuírem uma prática de elaboração de textos restrita a prática escolarizada. Diante da responsabilidade dessa turma na organização do I Encontro Estadual dos Estudantes de Letras do Tocantins, ver-se uma oportunidade de trabalhar essa deficiência na produção textual contextualizando com a realidade dos acadêmicos, trabalhando-se com a problematização dessa situação na forma de situação-problema.

OBJETIVOS:
Geral:
- Elaborar diferentes tipos de textos de textos em diferentes gêneros textuais.
Específicos:
- Discernir o que é tipo de texto e gênero textual;
- Diferenciar prática escolarizada e prática social de produção de textos;
- Conhecer diferentes tipos de texto e gêneros textuais;

METODOLOGIA:
- Situação-problema - Contextualização;
- Estudo dirigido (conceituação de tipos de texto e gêneros textuais; Prática escolarizada x prática social);
- Leitura de textos em diferentes tipos e gêneros.
- Oficina de elaboração de textos (1º momento - produção individual; 2º momento - produção em grupos).

RECURSOS:
- Livros teóricos didático-pedagogicos;
- Textos diversos (livros, revistas, jornais, et.);
- Retroprojetor e transparências;
- Papel pardo, pinceis;

AVALIAÇÃO:
A avaliação será contínua, através do acompanhamento da execução das atividades, observando o desenvolvimento das habilidades e competências individuais e coletivas para a resolução a situação-problema trabalhada. Observar-se-á as questões gramaticais e sociais como coerência e coesão, originalidade e criatividade, compromisso e responsabilidade, e a efetivação desses critérios dentro de uma relação dialógica.



REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS.:
  • ABDALA, Nacir. Produção de texto: processo de avaliação/revisão.visitar link
  • BRASIL, Ministério da Educação e Cultura. Parâmetros Curriculares Nacionais. 1º e 2º ciclos do Ensino Fundamental. Brasília, 1998, pp. 65-70. Texto adaptado pela Professora Maria Margarete Pozzobon, CULP/ULBRA.
  • CALIL, Eduardo. Lendo e produzindo textos científicos. visitar link
  • GONÇALVES, Adair Vieira. O fazer significar por escrito. visitar link
  • ____________. A produção de texto numa perspectiva dialógica. visitar link
  • GRIBEL, Christiane. Minhas Férias, pula linha, parágrafo. Rio de Janeiro: Salamandra, 1999.
  • MARINHO, Janice Helena Chaves. A produção de textos escritos. In: Reflexões sobre a língua portuguesa: ensino e pesquisa. Belo Horizonte: Pontes, 1997.
  • PAOLINELLI, Honoralice de Araújo Mattos. COSTA, Sérgio Roberto. Práticas de leitura/escrita em sala de aula. visitar link

xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx

   
 
» Todos os artigos

» Listar autores


Copyright © 1999-2013 A Garganta da Serpente
Direitos reservados aos autores  •  Termos e condições  •  Fale Conosco www.gargantadaserpente.com