A Garganta da Serpente
Artigos Envenenados textos sobre literatura
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Vinícius Drummond de Andrade, poesia para as massas

(Fabio de Riggi)

Houve momentos em que Vinícius de Morais fez poesia legível. Se não inovadora - o que nunca parece ter sido a intenção -, em conformidade com o rigor qualitativo de alguns grandes poetas contemporâneos dele.

No caso de Carlos Drummond, por mais que este tenha "furtado a Vinícius/sua mais límpida elegia", dele Vinícius parece ter tirado muito mais que lirismo em pureza clássica.

Tomemos como exemplo de análise "A rosa de Hiroshima" (in "Poesia completa e prosa", Aguiar, 1974) de Vinícius de Morais. Por mais que a autoria prove o contrário, tomo esse poema como um exemplo ótimo de estudo da obra de Carlos Drummond de Andrade.
Longe da mística, da metafísica, do lirismo cortante ou mesmo do machismo viniciano, a "rosa" transpõe aos sentidos toda a perplexidade subjetiva e anti-retórica condicionada pelo comedimento - claro na gradação dos últimos versos: "(...)Sem cor sem perfume/Sem rosa sem nada" -, além da a temática engajada, do estilo de Drummond (ver. "A rosa do povo", Record, 1945).

A coisificação que a palavra "rosa" adquire no poema, um aspecto definido por Haroldo de Campos como carnatura da palavra, é outra amostra desse estilo, em que "rosa" torna-se a representação de um objeto mnemônico, quase palpável e oposto ao sentido de bomba atômica.

Temos também a utilização de uma medida mais popular, a redondilha, e uma coloquialidade imperativa, em contraponto ao costumeiro subjetivismo oral de Vinícius, além da concisão, que dá o charme dos versos, tornando-os bem resolvidos, uma marca de Drummond, na escolha de termos como "cálidas", "hereditárias", etc.

Não bastasse, nesse poema, o autor atingiu um estilo de ressignificação através do espantamento pela simplicidade na escolha das palavras e do jogo de idéias do poema na interposição constante de imperativas e adjetivações, verso a verso: "Pensem nas crianças/Mudas telepáticas/Pensem nas meninas/Cegas inexatas(...)".

Enfim, Vinícius produziu pedras-de-toque, versos memoráveis, mas sobriamente pouca originalidade. Vejo-o como um aprendiz/garoto-propaganda da geração de 1945, como Arnaldo Antunes o é para os concretistas.

Ambos, poetas menores que donos mais de uma vida ativamente poética e menos de uma poesia ativamente viva, encontraram na música popular um instrumento de divulgação da poesia formal brasileira. Eis a contribuição.

  • 6438 visitas desde 4/07/2005
Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente