A Garganta da Serpente
ajuda
 
 
  versão para impressãorecomende esta página
Fabio de Riggi
saiba mais sobre o autor

Vinícius Drummond de Andrade, poesia para as massas
(Fabio de Riggi)

Houve momentos em que Vinícius de Morais fez poesia legível. Se não inovadora - o que nunca parece ter sido a intenção -, em conformidade com o rigor qualitativo de alguns grandes poetas contemporâneos dele.

No caso de Carlos Drummond, por mais que este tenha "furtado a Vinícius/sua mais límpida elegia", dele Vinícius parece ter tirado muito mais que lirismo em pureza clássica.

Tomemos como exemplo de análise "A rosa de Hiroshima" (in "Poesia completa e prosa", Aguiar, 1974) de Vinícius de Morais. Por mais que a autoria prove o contrário, tomo esse poema como um exemplo ótimo de estudo da obra de Carlos Drummond de Andrade.
Longe da mística, da metafísica, do lirismo cortante ou mesmo do machismo viniciano, a "rosa" transpõe aos sentidos toda a perplexidade subjetiva e anti-retórica condicionada pelo comedimento - claro na gradação dos últimos versos: "(...)Sem cor sem perfume/Sem rosa sem nada" -, além da a temática engajada, do estilo de Drummond (ver. "A rosa do povo", Record, 1945).

A coisificação que a palavra "rosa" adquire no poema, um aspecto definido por Haroldo de Campos como carnatura da palavra, é outra amostra desse estilo, em que "rosa" torna-se a representação de um objeto mnemônico, quase palpável e oposto ao sentido de bomba atômica.

Temos também a utilização de uma medida mais popular, a redondilha, e uma coloquialidade imperativa, em contraponto ao costumeiro subjetivismo oral de Vinícius, além da concisão, que dá o charme dos versos, tornando-os bem resolvidos, uma marca de Drummond, na escolha de termos como "cálidas", "hereditárias", etc.

Não bastasse, nesse poema, o autor atingiu um estilo de ressignificação através do espantamento pela simplicidade na escolha das palavras e do jogo de idéias do poema na interposição constante de imperativas e adjetivações, verso a verso: "Pensem nas crianças/Mudas telepáticas/Pensem nas meninas/Cegas inexatas(...)".

Enfim, Vinícius produziu pedras-de-toque, versos memoráveis, mas sobriamente pouca originalidade. Vejo-o como um aprendiz/garoto-propaganda da geração de 1945, como Arnaldo Antunes o é para os concretistas.

Ambos, poetas menores que donos mais de uma vida ativamente poética e menos de uma poesia ativamente viva, encontraram na música popular um instrumento de divulgação da poesia formal brasileira. Eis a contribuição.

6340 visitas desde 4/07/2005

xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx

   
 
» Todos os artigos

» Listar autores


Copyright © 1999-2017 A Garganta da Serpente
Direitos reservados aos autores  •  Termos e condições  •  Fale Conosco www.gargantadaserpente.com