A Garganta da Serpente
Artigos Envenenados textos sobre literatura
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Pontuação e separação de versos na poesia

(Sarah D.A. Lynch)

Uma das coisas mais importantes na forma com que um texto é criado vem a ser o momento exato de se dividir uma frase, seja em orações, seja em frases, seja em versos, de modo a construir um ritmo na leitura. Afinal, o que seria da escrita, sem a leitura?

Ora, na poesia inclusive utiliza-se da mudança de versos para acentuar um ponto, mudar de rumo, etc. Amigo ou amiga que busca aprimorar sua escrita, procure ler os mestres com os olhos na divisão de versos. Veja como eles constroem pensamentos e pintam quadros com o simples "mudar de linha", como formam ritmo com uma simples vírgula colocada no lugar certo. Veja bem: uma vírgula colocada erroneamente entre o sujeito e o predicado pode estragar todo um poema. Exemplo: Você, é a minha vida. Os teus olhos, são da cor do mar.

Claro que há casos em que se brinca com as vírgulas e a sintaxe em geral. Muitas vezes, se quero realçar a cor dos olhos, o fato de você ser a minha vida, coloco o pronome no fim da frase, utilizando a vírgula entre o predicado e o sujeito: São da cor do mar, os teus olhos. É a minha vida - você. Viu como fica cem vezes mais bonito? São detalhes assim que fazem a diferença entre uma poesia sofrível e uma poesia bela.

Hoje em dia está na moda dividir um verso depois de uma preposição, de uma conjunção - mas experimente ler o texto com tal divisão. Você não consegue. Outra vez digo: o que seria da escrita, sem a leitura? Se você tem dúvidas sobre uma divisão, leia seu texto em voz alta. Se fica estranho, desajeitado, feio - mude! A menos, é claro, que sua intenção tenha sido exatamente esta.

Como poeta, é preciso que você cultive o senso da beleza do ritmo e da construção de uma frase. Não aceite ficar entre os que apenas lançam palavras no papel. Trabalhe seu texto com a tenacidade de um Artista.

  • 864 visitas desde 2/04/2017
Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente