A Garganta da Serpente
ajuda
 
 
 
  versão para impressãorecomende esta página
Artur da Távola
saiba mais sobre o autor

Boa leitura é torresmo
(Artur da Távola)

Um texto bem escrito, leio lentamente. Explico: Por hábito, leio muito mais rápido do que devera e com sofreguidão. Por isso, preciso, às vezes, ler várias vezes. A pressa é inimiga da velocidade, já reparou?

Já o que leio com seriedade ou emoção, preciso retirar do computador em cópia impressa e deixar o texto sobre a mesa para consultas até que em determinado momento capturo-lhe o sumo. Sinto imediata felicidade, indizível!

Estranho, não? Mas é assim. O hábito de ler, sempre e sempre e muita coisa, habituou-me a essa disjuntiva: o que preciso reter, compreender em profundidade, sentir, é devagar, a saborear e respeitar o texto, assim como antes de ter o colesterol alto eu roia, felizardo, a delícia de um pedaço de torresmo torradinho.

Já a leitura utilitária, essa para informar-me ou tomar conhecimento de coisas, habituei-me a fazê-la veloz e injustamente de modo apenas semi-interessado. Assim também me comporto em palestras, reuniões etc. Para um dispersivo como eu, a medida do interesse por qualquer coisa ligada à palavra consiste em meu pensamento não voar. Ele é um passarinho quando abrem a porta da gaiola, se o que escuto é redundante, grosseiro e desinteressante

Por isso, tanto demorei em dar-lhe uma resposta sobre o prefácio solicitado. Vou ler seu livro a meu modo, devagar, porém não escreverei o prefácio. Primeiro, por estar certo de que prefácio só vale muito tempo depois que o autor morre, como análise de sua obra já sedimentada. Segundo, por acreditar, sinceramente, que livro algum precisa de prefácio. Sim, sim, cada livro é um mistério. Não há por que aparecer um "entendido" antes do escritor para tecer-lhe loas ou dizer-nos o que vamos ler. Deveria ser proibido um intelectual, real ou pseudo, avançar voraz em nossa liberdade de leitura. Um livro vale pelo que é e não pelo que se diz a seu respeito. Sempre. Não posso ler por alto e escrever algumas palavras de circunstância. Só depois de saborear o torresmo. Mas sei que seu editor não esperará. Desculpe, mas a lealdade impõe-me dizer o que ora lhe digo, ao despedir-me e dar-lhe os parabéns.

1719 visitas desde 23/07/2008

xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx

   
 
Últimos artigos:

Livros e sebos
(Artur da Távola)

A poesia como ponto de partida
(Lau Siqueira)

Vamos Falar de Poetas
(Marcial Salaverry)

Pontuação e separação de versos na poesia (Dalva Agne Lynch)

A Feira do Livro de Porto Alegre entre os interesses do mercado e os da sociedade
(Lau Siqueira)

A arte de não ler (Hélio Consolaro)


» Todos os artigos

» Listar autores


Copyright © 1999-2010 A Garganta da Serpente
Direitos reservados aos autores  •  Termos e condições  •  Fale Conosco www.gargantadaserpente.com